Ultima Thule. O asteroide em forma de boneco de neve é "espalmado como uma panqueca"

O corpo celeste mais distante que o Homem já explorou parecia um boneco de neve, mas novas fotos mostram que é espalmado e não esférico

Novas fotos enviadas pela sonda New Horizons deram aos cientistas da NASA uma nova perspetiva sobre o Ultima Thule, o astro mais distante alguma vez explorado. E, ao contrário do que sugeriam as imagens iniciais, o asteroide parece menos um boneco de neve e mais uma "panqueca espalmada", nas palavras de Alan Stern, investigador principal da missão.

"Ver estes novos dados mudou a nossa perspetiva. Será mais próximo da realidade dizer que a forma do Ultima Thule é espalmada, como uma panqueca. Mas, mais importante, as novas imagens estão a levantar questões científicas sobre como é que um objeto destes se poderá ter formado. Nunca vimos nada como isto na órbita do sol", afirmou Alan Stern.

O Ultima Thule é um asteroide, descoberto em 2014 pelo telescópio Hubble, e que se situa já na cintura de Kuiper, nos limites do sistema solar. No primeiro dia de 2019 a New Horizons fez uma aproximação ao corpo celeste a uma velocidade de 50 mil quilómetros por hora. As primeiras imagens mostravam um objeto semelhante a um boneco de neve - duas rochas esféricas fundidas uma na outra -, mas novas fotografias enviadas posteriormente, incidindo sobre o lado não iluminado pelo sol, levaram os cientistas a alterar as impressões iniciais. Afinal, Ultima e Thule (o nome dado às duas partes do asteróide) são bastante mais planos do que inicialmente se pensava.

Nesta altura a New Horizons já está 52 milhões de quilómetros para lá do Ultima Thule e os cientistas da NASA esperam que possa abordar objetos ainda mais distantes nos confins do sistema solar. Lançada em janeiro de 2006, a missão da New Horizons foi criada com o objetivo de explorar Plutão - o que já aconteceu em 2015 - e a cintura de Kuiper.

A totalidade dos dados recolhidos sobre o Ultima Thule poderá demorar cerca de um ano e meio a chegar ao Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, onde está instalado o centro de controlo da missão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.