Transporte de doentes gerido em plataforma única em todas as unidades do SNS até 2019

Segundo o Ministério da Saúde, este sistema permitirá uma melhor articulação entre as entidades e o seu alargamento será feito de forma gradual

Todas as unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão passar a ter uma plataforma única para gerir o transporte de doentes não urgentes até ao final de março do próximo ano, segundo um despacho do Governo.

O diploma, que deve ser publicado esta quarta-feira em Diário da República, o alargamento deste sistema, que gere o transporte de doentes não urgentes a todas as instituições, vai feito de forma gradual.

De acordo com o Ministério da Saúde, esta plataforma única pretende assegurar uma melhor articulação entre as entidades que realizam transporte de doentes e também criar uma harmonização das regras existentes a nível nacional. O objetivo é coordenar melhor os meios disponíveis e evitar desperdícios.

O projeto de despacho, a que a agência Lusa teve acesso, indica que todas as unidades hospitalares do SNS do Alentejo, Algarve e Centro devem ter o sistema implementado até ao final de novembro deste ano.

Seguem-se depois os hospitais do Norte, que devem ter o sistema até fevereiro de 2019 e os de Lisboa e Vale do Tejo, que têm de ter a plataforma até ao final de março do próximo ano.

A plataforma já é utilizada de forma frequente nos cuidados de saúde primários e permite, segundo o Ministério "fazer a gestão de todo o circuito do transporte programado de utentes", desde que o transporte é prescrito, passando pela sua realização e até à sua contabilização.

Esta centralização numa plataforma pretende ser, para o Ministério, um combate ao desperdício nesta área, permitindo ainda "maior capacidade de resposta" e mais meios de transporte disponíveis.

O Serviço Nacional de Saúde assegura, em média, o transporte não urgente a 1.500 pessoas por dia, o que representa uma despesa anual de 116 milhões de euros.

O Governo estabeleceu há cerca de dois anos que o transporte de doentes não urgentes é gratuito para o utente em casos de doentes com situação clínica prolongada e contínua, como no caso das doenças oncológicas, transplantados e também instituindo o transporte gratuito para doentes em cuidados paliativos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.