Trabalho: Não sabemos desligar e isso afeta a nossa saúde e de quem nos rodeia

A forma como a pessoa leva a vida profissional para casa pode estar a causar danos fora do trabalho, comprova um estudo que o instituto Virginia Tech publicou. A psiquiatra Maria Antónia Fresquilho diz que este cenário é fruto de "uma sociedade-competição"

Quantas vezes deu por si a verificar o e-mail profissional fora do horário laboral? Este hábito pode bem estar a deteriorar a sua saúde e a das suas relações. Quem o diz é a ciência: um estudo do instituto Virginia Tech, orientado pela Universidade de Virgínia, que partiu de uma amostra de 142 casais.

"A nossa investigação expõe a realidade: 'fronteiras de trabalho flexíveis' frequentemente se transformam em 'trabalho sem limites', comprometendo a saúde e o bem-estar de um funcionário e da sua família". Quem o diz é William Becker, professor associado da área de administração da Pamplin College of Business, em Virgínia, e co-autor do estudo.

Liuba Belkin, também co-autora e professora da Lehigh University, Pensilvânia, acrescenta que "um stress constante não só aumenta a ansiedade do profissional, diminui a satisfação relativamente às suas relações pessoais e tem severos efeitos na degradação da saúde, como afeta o bem-estar matrimonial".

"É mais importante do que nunca que haja um esforço extra para gerir esta ansiedade", porque atualmente assistimos a "barreiras mais complexas entre o trabalho e a família", remata Becker.

"Sociedade-competição"

Segundo William Becker, estudos anteriores já demonstravam um aumento no nível de stress da pessoa e no seu agregado quando se leva trabalho para terminar em casa. Contudo, a investigação comprova ainda que não é necessário gastar realmente tempo a trabalhar fora de horas para surtir efeitos negativos em setores pessoais da sua vida. O ato de pensar no trabalho quando está fora do horário laboral já é, por si, prejudicial à sua saúde e bem-estar, bem como das pessoas próximas de si.

Os resultados do estudo apresentado pelos dois autores não surpreende a psiquiatra portuguesa Maria Antónia Fresquilho.

A especialista diz que esta não se trata de uma questão antiga: "Isto é recente e advém de uma grande mudança social".

"O trabalho devora as pessoas e torna-as seres constantemente deprimidos", acrescenta, lamentando que antigamente, no mercado de trabalho "dizer 'não', mesmo com humildade, era compreendido". Ao contrário do que acontece atualmente, impor limites não era um defeito profissional. Mas hoje em dia "já não sabemos dizer 'não'".

São as consequências de uma "sociedade-competição, da globalização e do deixar de valorizar a pessoa como ferramenta essencial de trabalho".

Descura-se a família e alguns até já escolhem "não ter". Mas, diz a psiquiatra, "uma pessoa não é apenas o seu trabalho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.