Sonda da NASA sobrevoa objeto mais distante de sempre

A sonda espacial New Horizons da NASA sobrevoou hoje o objeto mais distante alguma vez visto, informou o diretor científico da missão.

"Nunca antes uma nave espacial explorou um objeto tão distante", afirmou Alan Stern, referindo-se ao 'Ultima Thule', um vestígio congelado da formação do sistema solar.

"Vai New Horizons!", exclamou Stern enquanto a sua equipa lançava exclamações de felicidade no laboratório de Física Aplicada da universidade Johns Hopkins, no estado americano do Maryland.

Era 5.33 quando as câmaras da nave apontaram para Ultima Thule.

Ultima Thule fica a cerca de 6,4 bilhões de quilómetros da Terra. Os cientistas esperam que sua observação ajude a entender melhor como o sistema solar foi formado.

A Sonda espacial terá tirado cerca de 900 imagens durante os poucos segundos em que sobrevoava o Ultima Thule a uma distância de cerca de 3.500 quilómetros.

A confirmação das imagens só será dada hoje por volta das 15:00.

Para já, imagens só as do vídeo da NASA acompanhado pela música de Brian May. O guitarrista dos Queen, formado em astrofísica, criou uma música especialmente para a missão e deverá trabalhar em algumas das imagens.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?