Quando o parceiro é fumador, o risco de aborto na mulher aumenta

Investigadores chineses consideram que em causa poderá estar a exposição a substâncias químicas

As mulheres dos fumadores têm um risco aumentado de aborto espontâneo, quer a exposição ao fumo ocorra antes da conceção ou durante a gravidez. É esta a conclusão de um estudo que envolveu quase seis milhões de mulheres, feito por cientistas do Instituto Nacional de Investigação da China em Beijing e publicado no Journal of Epidemiology & Community Health.

Participaram na investigação quase 5,8 milhões de mulheres não fumadoras, com idades compreendidas entre os 18 e os 49 anos, e os seus companheiros. De acordo com o jornal espanhol ABC, faziam parte de um projeto gratuito de controlo da gravidez, entre 2010 e 2016, que incluía um exame de saúde antes da conceção, acompanhamento durante os três primeiros meses de gravidez e seguimento do bebé até completar um ano.

Numa amostra onde 29% dos homens eram fumadores, a taxa de aborto espontâneo das mulheres foi fixada nos 2.5%. Contudo, quando homens que não fumavam, a taxa de aborto das companheiras era de 2.38%, enquanto nas mulheres dos fumadores era de 2.92%.

Quando os companheiros deixavam de fumar antes ou na altura em que a mulher engravidava, a taxa de aborto espontâneo era de 2.79%, um valor que subia para o 3.35% quando o futuro pai não abandonava o tabaco.

De acordo com os autores, o aumento do risco de aborto poderá estar relacionado com a exposição a substâncias químicas e com o facto de o tabaco poder influenciar a qualidade do esperma dos pais, levando a mutações genéticas que podem conduzir à perda do feto.

No entanto, os investigadores ressalvam que, apesar da relação encontrada, o estudo não prova que o fumo provoca aborto espontâneo, não tendo sido analisadas as possíveis causas desta ligação.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.