População cigana aumentou 79% no distrito de Beja

A população de etnia cigana aumentou 79% nos últimos oito anos no distrito de Beja, onde, atualmente, vivem 3666 ciganos, representando 2,4% do total de habitantes, segundo dados hoje divulgados.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a Associação dos Mediadores Ciganos de Portugal (AMEC) refere que a população cigana no distrito de Beja, no Alentejo, passou de 2048 ciganos em 2010 para 3666 neste ano, o que representa mais 1618 e um aumento de 79%.

Os dados resultam da comparação entre o estudo de caracterização da população cigana realizado em 2010 pelo Centro Distrital de Segurança Social e o mapeamento das comunidades ciganas no distrito de Beja feito no terreno neste mês pela AMEC.

Segundo a associação, os 3666 ciganos contabilizados através do mapeamento representam 2,4% do total de 152 758 habitantes do distrito de Beja, segundo os dados do Censos de 2011.

Em declarações à Lusa, o presidente da AMEC, Prudêncio Canhoto, disse que o aumento da população cigana no distrito de Beja pode explicar-se com o crescimento da natalidade.

"Os ciganos casam-se, constituem família e têm filhos cedo, e as famílias ciganas são numerosas", disse, referindo que, "em muitos casos, numa só casa vive uma família de três gerações - pais, filhos e netos".

Por outro lado, Prudêncio Canhoto admitiu que os dados do estudo realizado em 2010 estão "abaixo" dos números reais, ao contrário do mapeamento feito neste mês e que recolheu dados no terreno, contando os habitantes de etnia cigana "família por família".

Segundo o mapeamento, atualmente, a população cigana no distrito é constituída por 2065 crianças e jovens, que são a maioria, e 1601 adultos, distribuídos por 767 famílias.

Os concelhos

No pódio dos concelhos do distrito onde vivem mais ciganos e, em números absolutos, a população cigana aumentou: Beja ocupa o primeiro lugar, com 1399 habitantes de etnia cigana, mais 828 do que os 571 em 2010.

Seguem-se os concelhos de Moura, em segundo lugar, com 983 ciganos, mais 257 do que os 726 em 2010, e de Serpa, em terceiro lugar, com 469, mais 164 do que os 305 em 2010.

Segundo o mapeamento, além de Ourique, que, tal como em 2010, "continua sem comunidades ciganas", Odemira, com oito, Almodôvar com 19 e Barrancos com 24 são os concelhos do distrito de Beja com menos habitantes de etnia cigana.

Cuba é o único dos 14 concelhos do distrito onde a população cigana diminuiu, passando de 90 habitantes em 2010 para 69 neste ano.

De acordo com a AMEC, o mapeamento incluiu o recenseamento quantitativo e o registo fotográfico habitacional para comprovar as condições habitacionais da comunidade cigana.

"Brevemente", a AMEC irá divulgar, através de uma exposição, registos fotográficos do parque habitacional da comunidade cigana no distrito de Beja e "de acordo com o trabalho realizado no terreno".

O mapeamento foi feito no âmbito do projeto Nós Damos o Passo para o Impulso, do Programa de Apoio ao Associativismo Cigano 2018, e contou com o apoio do Núcleo Distrital de Beja, da EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza e das redes sociais do distrito.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.