Perda de biodiversidade "é tão grave como as alterações climáticas"

O mais completo relatório sobre biodiversidade dos últimos 15 anos mostra que os ecossistemas estão à beira do colapso. Versão final do documento será divulgada esta segunda-feira em Paris. "É urgente agir", dizem cientistas

Serão necessários passos de gigante e transformações radicais na produção global de alimentos e nas atividades humanas em geral, que estão a pulverizar os recursos, os ecossistemas e as espécies, se se quiser inverter tais tendências destrutivas - e o tempo é curto.

Este é o aviso que cerca de 400 cientistas fazem no mais completo e atualizado relatório dos últimos 15 anos sobre a biodiversidade, e cuja versão final será conhecida em Paris, esta segunda-feira, 6 de maio.

O relatório, que foi elaborado nos últimos três anos, esteve esta semana em discussão na capital francesa, no âmbito de uma reunião das Nações Unidas, com delegados de mais de 130 países. Numa versão ainda não definitiva, a que AFP teve acesso, podem ler-se esses alertas, que não deixam dúvidas sobre os problemas ambientais sem precedentes que a humanidade enfrenta.

Alguns números referidos nessa primeira versão do relatório ajudam a pôr o problema em perspetiva e dão a medida da urgência de ações concertadas e eficazes, a ser tomadas pelos decisores políticos a nível mundial.

A nossa destruição da biodiversidade e dos ecossistemas atingiu níveis que ameaçam o bem-estar da humanidade

Os números: cerca de um milhão de todas as espécies do planeta enfrentam a extinção, muitas delas dentro de poucas décadas; à exceção de uma parte muito pequena (7%), todos os grandes stocks de pesca do mundo estão em declínio, devido à sua sobre-exploração, e se falarmos de florestas, três milhões de hectares (2,9 milhões) perderam-se desde 1990 - nas três últimas décadas -, numa área correspondente à dimensão da Alemanha ou do Vietname.

O relatório, que foi preparado pela Plataforma Intergovernamental Científica e Política para a Biodiversidade e os Ecossistemas (IPBES, na sigla inglesa) - o equivalente ao IPPC para as alterações climáticas, igualmente no âmbito das Nações Unidas -, não define recomendações políticas (pelo menos nesta primeira versão). Mas a versão final do documento vai ser a referência para a próxima COP da Convenção das Nações Unidas sobre a Biodiversidade, que se realiza na China, no próximo ano.

Essa cimeira, em 2020, será o momentos-chave da definição das políticas internacionais nesta área, para a próxima década.

Próxima década é decisiva

Na abertura da reunião que está a decorrer em Paris, Robert Watson, o presidente da IPBES, não poupou palavras sobre o atual estado de calamidade ambiental. "As provas são incontestáveis: a nossa destruição da biodiversidade e dos ecossistemas atingiu níveis que ameaçam o bem-estar da humanidade, pelo menos tanto quanto as alterações climáticas induzidas pelo homem".

Alertando para o que está em causa, Robert Watson, sublinhou que a biodiversidade "não é algo abstrato". Ela "diz respeito a todas as espécies animais ou vegetais que vivem no planeta, incluindo aquela que se coloca a si mesma em perigo, ao destruir a natureza: a humanidade. E o homem não pode viver sem essa natureza, que lhe presta serviços de valor incalculável, desde insetos polinizadores a florestas e oceanos que absorvem CO2, até medicamentos ou água potável".

A presente situação é, aliás, o espelho do falhanço das metas estabelecidas para esta década no âmbito da própria convenção. Praticamente nenhum dos 20 objetivos previamente definidos para 2020, que visam uma vida "em harmonia com a natureza" até 2050, será alcançado. Isso está referido na primeira versão do relatório, cuja versão final está a ser aguardada com grande expectativa.

Muitos veem o documento como a possibilidade de um ponto de viragem nas políticas ambientais globais. Foi isso mesmo que disse, preto no branco, o próprio presidente da IPBES, na abertura da reunião de Paris. Assim: "Muitos esperam que esta avaliação seja o prelúdio para a adoção de metas ambiciosas na reunião de 2020, na China, dos Estados-membros da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica".

A coincidência de a reunião ter lugar na mesma capital europeia que em 2015 foi palco do Acordo de Paris, para as alterações climáticas, é vista como um bom prenúncio de avanços idênticos na biodiversidade. Resta saber até que ponto os alertas vão ser ouvidos.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.