Estudo alerta que aquecimento global pode ser duas vezes pior do que o estimado

Estudo de investigadores de 17 países, publicado na semana passada pela revista Nature Geoscience, alerta que o aquecimento global pode ser duas vezes pior do que o estimado e que o nível do mar pode subir até seis metros. Isto mesmo se o mundo cumprir a meta do Acordo de Paris, ou seja, manter a temperatura média global abaixo dos 2ºC

Muito se tem falado sobre a importância do Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas e também do facto de o presidente Donald Trump ter anunciado que pretende retirar desse mesmo acordo os Estados Unidos.

Ainda esta sexta-feira, no Porto, na conferência Climate Change Leadership, o seu antecessor, Barack Obama, referiu o tema. "O que vemos é que com o Acordo de Paris (...) ainda é possível ter os países em torno de uma agenda comum", destacou, constatando que "o problema das alterações climáticas transcende fronteiras" e não é possível um país "resolver este problema sozinho".

Mas, mesmo que o mundo cumpra o que está contido no Acordo de Paris, ou seja, manter o aumento da temperatura média global abaixo dos 2ºC em relação aos níveis da era pré-industrial e limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC, isso poderá já não ser suficiente.

O alerta está contido num novo estudo científico, da autoria de especialistas de 17 países, publicado a semana passada na Nature Geoscience. Segundo os peritos, o aquecimento global pode ser duas vezes pior do que o estimado, e o nível da água do mar pode subir até seis metros.

Alguns dos cenários que avançam são, por exemplo, o colapso de vastas áreas de gelo nos polos, alterações significativas nos ecossistemas que podem transformar o deserto do Sara numa zona verde ou as florestas tropicais em savanas planas com árvores esparsas e arbustos isolados.

Para as suas conclusões, os autores do estudo baseiam-se na observação de dados de três períodos de aquecimento, ao longo dos últimos 3,5 milhões de anos, quando o mundo esteve mais quente entre 0,5ºC e 2ºC por comparação à era pré-industrial do século XIX. Os investigadores basearam-se em dados de três períodos: o Ótimo do Holoceno Médio, o Interglaciar e o Ótimo Plioceno Médio.

"A observação de períodos de aquecimento no passado sugere que um número de mecanismos amplificadores, que estão representados de forma muito pobre nos modelos climáticos, amplificam o aquecimento a longo prazo, para além das projeções do modelo climático", disse o diretor do estudo, o professor Hubertus Fischer, da Universidade de Berna na Alemanha.

"Mesmo com 2ºC de aquecimento - e potencialmente 1,5ºC - os impactos no sistema da Terra são profundos. Podemos esperar uma subida do nível do mar imparável durante o milénio, com impacto na população, nas infraestruturas e na atividade económica", declarou, por sua vez, o coautor do estudo Alan Mix, professor da Universidade do Oregon nos EUA.

"Os modelos climáticos parecem ser fiáveis para pequenas alterações, tais como a baixa de emissões durante períodos curtos, talvez nas próximas décadas até 2100. Mas à medida que as alterações se tornam mais amplas e mais persistentes esses modelos parecem subestimar as alterações do clima", afirmou, por sua vez, a coautora do estudo Katrin Meissner, diretora do Centro de Investigação sobre o Clima da Universidade de New South Wales na Austrália.

Citada num artigo dessa mesma universidade, a especialista sublinha: "Esta investigação é um alerta poderoso no sentido de se agir. Diz-nos que se os líderes mundiais da atualidade não fizerem face às emissões de uma forma urgente, o aquecimento global trará profundas alterações ao nosso planeta e à nossa forma de vida - não só neste século, mas muito para além disso".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.