Novo dinossauro gigante descoberto na África do Sul

Há 200 milhões de anos, o Ledumahadi mafube, como foi batizada a nova espécie, era o maior do seu tempo, garantem os cientistas. É uma das peças que faltavam no puzzle da evolução dos répteis gigantes do Jurássico.

Foi o maior gigante do seu tempo, há 200 milhões de anos. Por isso lhe chamaram Ledumahadi mafube, que em sesotho, a língua nativa da região da África do Sul onde foi descoberto, significa "trovoada gigante na madrugada". É uma nova espécie de dinossauro e foi encontrada na província de Estado Livre daquele país africano.

Apesar do nome ameaçador, e da sua colossal dimensão - pesava 12 toneladas e tinha pernas que se elevavam a quatro metros de altura -, o Ledumahadi só comia plantas. Mas, sobretudo, a sua descoberta representa mais uma importante peça no complexo puzzle das espécies de répteis gigantes que povoavam - e dominavam - o planeta durante o Jurássico.

A equipa que fez o achado, um grupo internacional de paleontólogos liderados por Jonah Choininiere, da Universidade de Witwatersrand, na África do Sul, afirma que ele é uma espécie de experiência na evolução dos saurópodes, imortalizados no imaginário popular como os simpáticos dinossauros de pescoço comprido. Pelas suas características únicas, segundo os paleontólogos, o Ledumahadi já anuncia aquele grupo de dinossauros.

O "Ledumahadi" "representa uma fase de transição entre dois grandes grupos de dinossauros

"A primeira coisa que me chamou a atenção neste animal foi a robustez incrível dos ossos dos membros", conta Blair McPhee, um dos autores da descoberta, cujo estudo é publicado nesta quinta-feira na revista científica Current Biology.

"A sua dimensão", sublinha o investigador, "é semelhante à que caracterizava os saurópodes gigantes, mas ao passo que nesses dinossauros os membros eram delgados, os do Ledumahadi são muito mais compactos e fortes".

Mais uma peça na evolução

Isso indica, na opinião dos autores, que "a evolução para o gigantismo, nestes animais, não foi um caminho direto, e que a forma como eles se adaptaram às exigências da sobrevivência, que incluíam terem de se movimentar e alimentar, foi muito mais dinâmica neste grupo do que até agora se pensava".

A escavação do local onde o exemplar estava depositado há milhões de anos permitiu recuperar cerca de uma vintena de fósseis de diferentes partes do corpo - dos membros, e inúmeras vértebras do pescoço, costas e cauda - e o seu estudo detalhado ajudou a reconstituir o animal, que revelou, então, ser uma nova espécie.

"Olhando para a microestrutura dos ossos fossilizados, conseguimos ver que o animal cresceu rapidamente até à idade adulta e que, na altura em que morreu, esse crescimento já tinha parado", explica, por seu turno, a paleontóloga Jennifer Botha-Brink, do Museu Nacional da África do Sul, em Bloemfontein, e coautora da descoberta.

Para a investigadora, "é muito interessante" o facto de os fósseis "mostrarem características básicas dos saurópodes, mas também outras que são diferentes", o que significa que este animal "representa uma fase de transição entre dois grandes grupos de dinossauros".

O Ledumahadi viveu - e morreu - na região de Clarens, hoje província do Estado Livre da África do Sul, mas é um parente muito chegado dos dinossauros gigantes que então existiam também na Argentina.

Segundo os autores, isso reforça "a tese de que o supercontinente Pangeia ainda estava praticamente intacto no início do Jurássico, e mostra como era fácil a estes animais deambular entre uma e outra região", que hoje estão separadas por um imenso oceano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.