NASA vai lançar sonda que deverá roçar o sol

Será a primeira vez que uma missão entra na coroa solar

A agência aeroespacial norte-americana (NASA) espera lançar nas próximas semanas uma sonda que deverá aproximar-se do sol mais do que nenhuma outra até agora, informou a instituição.

A sonda Parker - batizada em homenagem a Eugene Parker, astrofísico que desenvolveu a teoria dos ventos solares supersónicos - deverá ser lançada do Cabo Canaveral, no Estado da Florida (EUA), a partir de 6 de agosto, segundo um comunicado divulgado pela agência na sexta-feira.

A sonda deverá aproximar-se a seis milhões de quilómetros da superfície solar a uma velocidade que alcançará os 200 quilómetros por segundo, numa missão em que analisará o comportamento da estrela tanto à distância como no próprio local.

Será a primeira vez que uma missão entra na coroa solar, uma região que atinge temperaturas muito acima da que é atingida na superfície do sol.

Neste sentido, Alex Young, perito da NASA, recordou que estiveram a "estudar o sol durante décadas e agora" irão até "onde se encontra a ação".

O projeto pretende avançar no conhecimento das influências do sol e verificar teorias astrofísicas, como a da aceleração dos ventos solares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...