Milhares de animais selvagens apreendidos em operação mundial

As autoridades detiveram 582 suspeitos em 109 países diferentes e desmantelaram vários canais de comércio ilegal online.

Milhares de animais, incluindo felinos, macacos, tartarugas, répteis, aves e até tubarões, foram apreendidos durante uma operação mundial contra o tráfico de animais selvagens que resultou na detenção de quase 600 suspeitos, anunciou esta quarta-feira a Interpol.

Durante esta operação, coordenada em junho pela Interpol e pela Organização Mundial das Alfândegas em 109 países, a polícia deteve 582 suspeitos e apreendeu 440 presas de elefante,mais de meia tonelada de objetos de marfim, 2550 metros cúbicos de madeira e 2600 plantas. No total, foram apreendidos nas mãos dos traficantes 23 primatas, 30 felinos, mais de 4300 aves, quase 10 mil animais marinhos, incluindo corais, cavalos-marinhos, golfinhos e tubarões, perto de 10 mil tartarugas e cerca de 1500 outros répteis.

As fotografias, divulgadas online pela Interpol, mostram peles de crocodilo apreendidas no Reino Unido, dezenas de papagaios amontoados numa pequena gaiola na Índia, ou peixes-zebra que morreram durante o seu transporte ilegal no Brasil.

Também foi apreendida, na Nigéria, meia tonelada de escamas de pangolim, às quais a medicina tradicional chinesa atribui muitas propriedades.

A operação desmantelou vários canais de comércio ilegal online, permitindo, em particular, a detenção de 21 pessoas em Espanha e a apreensão de 1850 aves na Itália.

Estas detenções e apreensões foram desencadeadas por uma equipa internacional de investigadores e agentes aduaneiros reunidos nas instalações da Interpol em Singapura.

Segundo a Interpol, outras detenções e processos podem ocorrer nas próximas semanas e meses.

Esta é a terceira operação desta magnitude realizada pela Interpol, depois de 2018 e 2017, com apreensões de vários milhões de dólares.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.