Maior feira de tecnologia do mundo censura vibrador robótico

Empresa que produz o dispositivo critica o machismo da organização do certame que se realiza em Los Angeles.

O vibrador robótico Osé é um dispositivo que permite atingir o orgasmo graças ao uso de microrrobôs, especialmente projetados para estimular as zonas erógenas da vagina, de modo a imitar os movimentos de uma mão humana.

Tais qualidades mereceram mesmo reconhecimento, pelo menos numa fase inicial. A maior feira tecnológica do mundo, a CES de Las Vegas, concedeu-lhe um prémio. Contudo, pouco depois, a organização decidiu retirá-lo porque é um dispositivo "imoral" que "não se encaixa em nenhuma das categorias de produtos existentes" e, portanto, esta distinção "não deveria ter sido concedida".

A Lora DiCarlo, a empresa que criou o brinquedo sexual, alega que o seu produto tinha sido previamente selecionado e que a marca foi convidada a exibi-lo na feira.

Lora Haddock, CEO da empresa, assegurou entretanto em comunicado que tanto a CES como a CTA (Consumer Technology Association), que organiza o evento, demonstraram repetidamente a sua rejeição de dispositivos projetados para mulheres.

Haddock aponta que há uma visão machista na seleção de produtos e exemplifica que é possível apresentar produtos para a sexualidade masculina. E depois ironiza: "Dois aspiradores robotizados, um skate robótico, quatro brinquedos para crianças, um acompanhante de compras. Parece que os interesses das mulheres estão cobertos, certo?"

A organização reconheceu o erro na seleção e distinção do produto, mas não deu mais explicações sobre o motivo que levou à atribuição do prémio, entretanto retirado. Em contraste com esta situação, na edição de 2017, a CES permitiu a apresentação de uma boneca sexual robótica chamada Harmony, bem como uma aplicação de pornografia em realidade virtual.

O vibrador Osé foi desenvolvido em colaboração com a Oregon State University, que tem um importante departamento de robótica, embora o dispositivo ainda não tenha as patentes necessárias para a comercialização.

Ler mais

Exclusivos