"Isto é como fazer um colóquio sobre criacionismo num departamento de biologia"

Carlos Fiolhais é um dos signatários da Carta Aberta ao Reitor da Universidade do Porto a propósito da conferência negacionista das alterações climáticas que ali vai realizar-se

Físico, professor da Universidade de Coimbra, comunicador e autor de inúmeros livros sobre a ciência, e também sobre pseudociência, Carlos Fiolhais é um dos cerca de 50 signatários da Carta Aberta ao Reitor da Universidade do Porto, a propósito da conferência promovida por negacionistas das alterações climáticas que aquela universidade acolhe a partir deste sábado. Em entrevista ao DN, explica que a carta é uma chamada de atenção, para impedir que algo que não é ciência possa fazer-se passar pelo não é, só porque acontece numa universidade. "Quando se instala um clima de relativismo, tudo vale, e quando tudo vale, nada vale", diz.

É um dos signatários da carta aberta ao Reitor da Universidade do Porto, a propósito da polémica conferência sobre alterações climáticas que ali se vai realizar. O que o levou a fazê-lo?
Concordo com o conteúdo da carta. Dizemos ali que aquela não é uma reunião de cientistas e que a sua discussão pouco ou nada tem nada científico. Os negacionistas na questão das alterações climáticas recusam a evidência científica, provas científicas acumuladas ao longo de muitos anos de trabalho de cientistas de todo o mundo. Os seus trabalhos publicados não deixam dúvidas sobre, primeiro, a existência de mudanças climáticas e, segundo, a atribuição da causa principal às emissões de dióxido de carbono, em parte de origem humana. E estas pessoas não estão a querer acrescentar ciência, nem sequer estão dentro da comunidade científica, algumas delas, e querem fazer passar por científico aquilo que não é. Colocando-se à margem, porque é que vão para a Universidade do Porto? Para dar um ar científico àquilo que no fundo não é. Buscam credibilidade porque não a têm. Com esta carta é ao público em geral que nos dirigimos principalmente, para dizer que não acredite no que quer que seja, mesmo que seja dito dentro de uma universidade.

A universidade não devia acolher esta conferência?
Pertenço a uma universidade [a de Coimbra] e fazem-se coisas na minha universidade com as quais nem sempre concordo. As universidades devem ter autonomia para fazerem o que entendem. Claro que pode haver prejuízos de credibilidade consoante as escolhas. Mas não me compete a mim, nem a nenhum de nós, dizer à Universidade do Porto o que deve fazer, por isso, abstemo-nos disso. A universidade fará o que melhor entender. Mas o que está a passar-se é como fazer um colóquio sobre criacionismo num departamento de biologia, ou como um grupo de defensores da Terra plana, e eles existem, ir para uma universidade apresentar a sua discussão a favor da planura da Terra. Seria um pouco estranho uma universidade acolher uma reunião dessas.

Isto pode trazer danos à credibilidade da Universidade do Porto?
Acho que já trouxe. As pessoas interrogam-se, não é bom para o nome de uma universidade. A universidade diz que acolhe apenas o evento. Veremos o que é dito lá e que consequências tiram disso.

A posição da diretora da Faculdade de Letras é a de que estão criadas as condições para haver um debate científico. Concorda?
Não me convence. É como se não tivesse havido debate científico até agora. Como se estivessem a dizer que até agora o assunto das alterações climáticas não foi tratado a sério e que agora, de repente, é que vai começar o debate. Está-se a a pretender fazer passar a ideia de que se vai fazer um debate científico, num assunto em que há painéis internacionais a funcionar regularmente, milhares de artigos científicos publicados, e sobre o qual tem havido discussões infindas, que se esbatem à medida que se chega a consenso. De repente, vão começar o verdadeiro debate? Acho muito pouco provável.

A universidade diz que cancelar a conferência seria um ato de censura.
Não somos nós que vamos dizer à Universidade do Porto o que fazer. Aliás, o documento não o faz. Mas eu não lhe chamaria censura. É uma questão de cuidado. Se eu pegar numa pedra qualquer e for ao Museu de Serralves, que também é no Porto, dizer que sou um grande artista e que quero colocar a pedra numa das suas salas, o museu tem todo o direito de não querer lá a pedra. Tem curadores para isso, para verificar que aquilo é só uma pedra que encontrei na rua. Nunca chamaria a isso censura, mas cuidado em relação ao que organizam dentro da sua casa.

Como se evita uma situações destas?
Isto é uma caminhada e talvez a chamada de atenção que fazemos seja um bom contributo nesse sentido. Pode-se aprender com percalços como este, e realizando-se este, talvez não se realiza outro evento assim. Há muita gente teimosa que não desiste e vai voltar. Mas pode haver esclarecimento e é isso que estamos a tentar fazer. Este problema das alterações climáticas não é apenas do domínio da ciência, interessa a todos, e é por isso que é bom que isto se discuta na praça pública. À escala da nossa geração e dos nossos filhos, estes fenómenos das alterações climáticas vão ser cada vez mais visíveis, dizem-nos respeito a todos e a longo prazo isto tem a ver com a habitabilidade do planeta. Esta mensagem está a ser interiorizada pelo público. Se agora se coloca em dúvida aqui e ali, instala-se um clima de relativismo em que tudo vale. E quando tudo vale, nada vale.

O facto de esta conferência se realizar numa universidade pode trazer mais confusão à opinião pública sobre as alterações climáticas?
É isso mesmo, e é o que estamos a tentar prevenir. Isto vai aumentar a confusão no público. Haver 10, 20 ou cem pessoas que se reúnam e tenham uma sociedade para isso, muito bem. Agora organizarem um evento numa universidade, qualquer que ela seja, é natural que confunda as pessoas.

Presta-se aqui um mau serviço à opinião pública?
Sim. Mas a Universidade do Porto tem prestados tão bons serviços à opinião pública, que quero julgar que isto seja só uma pequena pedra no meio do caminho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?