Descobertas proteínas-chave associadas ao cancro no pulmão

Cientistas do Instituto de Zoologia da Academia de Ciências da China descobriram 21 proteínas-chave que podem inibir ou estimular o crescimento de células do cancro do pulmão.

Investigadores chineses do Instituto de Zoologia da Academia de Ciências da China descobriram 21 proteínas-chave que podem inibir ou estimular o crescimento de células do cancro do pulmão, segundo um estudo publicado na revista internacional Cancer Letters.

Através de técnicas laboratoriais, os investigadores testaram 1520 fatores de transcrição (TFs) e descobriram que onze destes eram supressores tumorais, que impediam o crescimento de células cancerígenas, enquanto outros dez tinham o potencial de causar o crescimento.

O cancro do pulmão representa 20% de todas as mortes por cancro no mundo.

Estudos adicionais, avança a agência de notícias oficial chinesa Xinhua, mostraram que IRX5, um dos TFs mais perigosos, foi detetado em níveis elevados em pacientes com cancro do pulmão, cuja causa principal da doença é o tabaco. Em experiências feitas com ratos, os investigadores impediram o crescimento de células cancerígenas ao inibir o IRX5.

Os fatores de transcrição são proteínas-chave ligadas à sequência do ADN (ácido desoxirribonucleico), que controlam a expressão genética e descodificam a informação no genoma humano.

O cancro do pulmão representa 20% de todas as mortes por cancro no mundo. Entre 80% e 90% são causados pelo consumo de tabaco, segundo a Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.