Guterres avisa que mundo tem dois anos para agir contra mudanças climáticas

"Se não alterarmos a orientação daqui até 2020, arriscamos consequências desastrosas para os humanos e os sistemas naturais que nos suportam", avisou o secretário-geral das Nações Unidas

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, advertiu esta segunda-feira que o mundo tem dois anos para agir contra as mudanças climáticas e evitar "consequências desastrosas", e condenou a paralisia dos líderes mundiais contra este fenómeno.

"Se não alterarmos a orientação daqui até 2020, arriscamos consequências desastrosas para os humanos e os sistemas naturais que nos suportam", declarou o líder da ONU, alertando que está em causa uma "ameaça existencial" e o "mais desafio" atual.

"As mudanças climáticas estão a avançar mais depressa do que nós e devemos romper com a paralisia", sublinhou, numa intervenção na sede da organização, em Nova Iorque, três dias antes da realização de uma cimeira mundial, inédita, para a ação climática, que deve reunir em São Francisco milhares de eleitos, autarcas, responsáveis de organizações não-governamentais e empresas.

"É imperativo que a sociedade civil - jovens, grupos de mulheres, setor privado, comunidades religiosas, cientistas e movimentos ecologistas em todo o mundo - reclamem a prestação de contas aos dirigentes", acrescentou Guterres, reclamando que não se está a fazer o suficiente, exigindo por isso liderança para tomar medidas urgentes, antes que seja "demasiado tarde".

De acordo com a ONU, o mundo está longe de alcançar os objetivos estabelecidos há três anos no Acordo de Paris, umas metas que já eram "de mínimos" e que, segundo os especialistas, representam apenas um terço dos esforços necessários. "Temos os incentivos morais e financeiros para atuar. O que falta, inclusivamente depois de Paris, é liderança, um sentimento de urgência e um verdadeiro compromisso com uma resposta multilateral decidida", lamentou Guterres.

No seu discurso, o secretário-geral da ONU insistiu que as nações ricas, também as maiores responsáveis da crise climática, têm um "dever moral" de ajudar, quer diminuindo as suas emissões, quer cedendo aos países pobres dinheiro e tecnologia para enfrentar os efeitos das mudanças climáticas.

O antigo primeiro-ministro português contrariou o argumento de que combater as alterações climáticas é caro. Pelo contrário, sublinhou, o mundo está a sofrer enormes perdas económicas como consequência das alterações climáticas, com elevados prejuízos causados por desastres naturais e problemas de saúde provocados pela contaminação. "Para 2030, a perda de produtividade causada por um mundo mais quente poderia custar à economia global dois mil milhões de dólares", referiu ainda.

António Guterres recordou que organizará nas Nações Unidas uma cimeira mundial sobre o clima em setembro de 2019, um ano antes do prazo imposto aos signatários do Acordo de Paris para cumprir os seus compromissos. Hoje, o responsável anunciou ter nomeado o mexicano Luis Alfonso de Alba como seu enviado especial para preparar este encontro.

Em 2015 em Paris, os representantes de 195 países definiram como objetivo combater o aquecimento global e que as temperaturas não superem este século em 2 ou, preferivelmente, 1,5 graus Celsius face a níveis pré-industriais. Os Estados Unidos da América, sob a administração de Donald Trump, demarcaram-se do pacto, por o Presidente considerar que prejudica a economia norte-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.