Greve "agressiva" diz a ministra, mas número de cirurgias adiadas é "residual"

A greve dos enfermeiros dos blocos operatórios de cinco hospitais públicos começou a 22 de novembro e está previsto que dure um mês.

A ministra da Saúde, Marta Temido, admite que a greve dos enfermeiros dos blocos operatórios é "uma situação que gera preocupação", mas considera-a "residual dentro do número de cirurgias que ocorre no Sistema Nacional de Saúde".

As declarações foram feitas aos jornalistas no final de uma reunião, no ministério, com os administradores dos cinco hospitais onde a greve está a decorrer. "O objetivo da reunião era acompanhar a evolução da situação e é evidente que estamos diante de uma situação que gera preocupação", referiu a ministra, reiterando contudo ser importante referir que "os doentes estão a ser intervencionados".

A ministra recusou entrar na "guerra de números", mas admitiu que em causa estão quatro mil cirurgias. "Serão quatro mil, no nosso apuramento", referiu. "É evidente que é um número significativo, mas é residual dentro do número de cirurgias que ocorre no Sistema Nacional de Saúde", acrescentou, falando numa greve "muito agressiva" num grupo específico de enfermeiros. Marta Temido alega que a adesão ronda, em média, os 6 ou 7%.

De acordo com Marta Temido, os sindicatos e os conselhos de administração têm conseguido articular e trabalhar na melhor defesa dos doentes, no que diz respeito a garantir os serviços mínimos.

"Vamos continuar a trabalhar no reagendamento dos doentes, preferencialmente para depois de 1 de janeiro", indicou, dizendo contudo que isso não significa que não vai continuar a trabalhar com as estruturas sindicais "para sair desta situação".

Greve inédita

Enfermeiros dos blocos operatórios de cinco hospitais públicos - Centro Hospitalar S. João (Porto), Centro Hospitalar e Universitário do Porto, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar Lisboa Norte e Centro Hospitalar de Setúbal - iniciaram a 22 de novembro uma greve de mais um mês às cirurgias programadas, que está a adiar milhares de operações.

A greve foi convocada por duas estruturas sindicais, embora inicialmente o protesto tenha partido de um movimento de enfermeiros que lançou um fundo aberto ao público que recolheu mais de 360 mil euros para compensar os colegas que aderirem à paralisação. O movimento denomina a paralisação como "greve cirúrgica".

Trata-se de uma greve considerada inédita em Portugal, devido à previsão da sua duração (mais de um mês) e à criação de um fundo de recolha de dinheiro para financiar os grevistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.