Google faz com que YouTube seja lento no Firefox, Edge e Safari. Saiba como contornar o problema

Site carrega cinco vezes mais devagar em browsers que não sejam o Google Chrome

Um executivo da Mozilla acusou a Google de ter feito alterações no design do YouTube para que este corra lentamente nos browsers Firefox e Edge.

O diretor do programa técnico da comunidade de sotfware Chris Peterson publicou uma mensagem no Twitter na última terça-feira a denunciar o facto de a plataforma de partilha de vídeos carregar cinco vezes mais devagar em browsers que não sejam o Google Chrome, devido à sua arquitetura, o que também foi reportado pela Softpedia.

"O carregamento da página do YouTube é cinco vezes mais lento no Firefox e no Edge do que no Chrome porque o novo design do Polymer do YouTube tem a obsoleta API do Shadow DOM v0 implementada apenas no Chrome", escreveu Chris Peterson no Twitter.

"O YouTube fornece um polyfill Shadow DOM para o Firefox e o Edge que, surpreendentemente, é mais lento do que a implementação nativa do Chrome. No meu laptop, o carregamento inicial da página leva cinco segundos com o polyfill contra um sem. A navegação subsequente na página é comparável", acrescentou.

Este é o caso mais recente da Google criar e ajustar os seus serviços da web para que tenham um melhor desempenho ou funcionem apenas no seu browser. Já foram detetadas situações em que serviços como o Google Meet, Allo, YouTube TV, Google Earth e o YouTube Studio Beta simplesmente bloqueiam o Edge (da Microsoft) e o Firefox (da Mozilla).

O maior site de vídeos do mundo

O YouTube revelou em maio que foram registadas mais de 1,8 mil milhões de visualizações mensais, e que minuto a minuto são carregados 400 horas de vídeo para o site, daí que a performance seja um fator decisivo para as pessoas na hora de escolher o browser de eleição.

Atualmente, o Chrome é o browser mais popular, contando com 59% de share de mercado, enquanto o Firefox regista 5% e o Edge apenas 2%, segundo estatísticas divulgadas pela firma StatCounter.

Como contornar o problema

O executivo da Firefox sugeriu que os utilizadores dos browsers afetados passem a aceder à versão antiga do YouTube para não sofrer com a lentidão de carregamento.

Para contornar a situação, Peterson dá algumas dicas para forçar o YouTube a voltar ao design antigo, acelerando o carregamento das páginas, apesar de isso implicar a perda de algumas funcionalidades, como é o caso do modo noturno que foi entretanto lançado no YouTube.

Assim, os utilizadores do Firefox podem fazer download de uma extensão que permite ao site voltar à versão clássica.

No caso do Edge e do Safari, basta instalar a extensão Tampermonkey e usar um script adequado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.