Família de orcas foi avistada na costa algarvia

Os mamíferos já foram vistos por pelo menos dois grupos de embarcações de observação de golfinhos

Uma família de orcas está de passagem pela costa algarvia nesta semana. Os animais foram vistos perto da ilha da Culatra, em Olhão, e perto de Armação de Pera, em Silves. Passageiros que seguiam em embarcações de observação de golfinhos tiveram a oportunidade de ver as orcas quando estas se dirigiam para oeste, percurso que costumam fazer nesta altura do ano.

Na manhã da passada terça-feira, as orcas estavam divididas em dois grupos e foram avistadas a três ou quatro milhas da ilha da Culatra, em Olhão. "Foi único e inesquecível, quer para nós quer para os clientes que tiveram a sorte de testemunhar isto", conta o biólogo marinho Alfredo Rodrigues ao siteNotícias ao Minuto. O biólogo estava a acompanhar uma visita da empresa Formosamar.

Um dia depois, na quarta-feira, cerca de 46 turistas puderam voltar a ver este grupo de orcas perto de Armação de Pera, em Silves. O biólogo marinho da empresa Dream World Tiago Sá, para quem o avistamento destes animais já não é uma novidade, conta que viu cerca de quatro orcas juvenis fêmeas de seis a sete centímetros.

"Elas [as orcas] aparecem mais ou menos duas vezes por ano porque seguem as migrações do atum e nós tentamos chamar a atenção das pessoas, que ficam muito surpreendidas", diz Tiago Sá.

No ano passado, um grupo destes animais foi avistado na Fuseta, no concelho de Olhão, Faro, a 15 de julho.

As orcas são membros da família dos golfinhos. A seguir ao homem, são os mamíferos que ocupam uma maior área geográfica no planeta terra. A sua alimentação é à base de peixe, moluscos, aves, tartarugas, tubarões ou focas. Podem chegar a pesar nove toneladas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.