Exame ao sangue pode detetar cancro da pele na fase inicial

Investigadores australianos desenvolveram um exame experimental ao sangue para detetar o melanoma, o tipo de cancro da pele mais perigoso, na sua fase inicial

É anunciado como o primeiro teste ao sangue capaz de detetar o melanoma, um tipo de cancro da pele, na sua fase inicial. Foi desenvolvido por um grupo de cientistas australianos e poderá fazer o diagnostico precoce deste agressivo cancro da pele e salvar milhares de vidas. Atualmente, o diagnóstico é baseado num exame clínico efetuado por um médico. Em caso de lesão suspeita, ela é removida cirurgicamente e alvo de biópsia.

Os investigadores da Universidade de Edith Cowan realizaram testes que envolveram 209 pessoas, metade das quais tinha cancro. Os exames realizados detetaram melanoma numa fase inicial em 79% dos casos. As conclusões da investigação foram publicadas terça-feira, dia 17 de julho, na revista biomédica Oncotarget.

"Os anticorpos têm um acesso fácil ao sangue, por isso este teste é fantástico para identificar um cancro na fase inicial"

O teste ao sangue desenvolvido pelos cientistas deteta este tipo de cancro na pele ao reconhecer os anticorpos que o corpo produz para combater as células cancerígenas numa fase inicial.

"Os anticorpos têm um acesso fácil ao sangue, por isso este teste é fantástico para identificar um cancro na fase inicial", disse Mel Ziman, responsável pelo grupo de investigadores, citado pela CNN.

"Nós analisamos um total de 1.627 tipos diferentes de anticorpos para identificar uma combinação de 10 anticorpos que são os melhores indicadores da presença de melanoma em pacientes afetados em comparação com voluntários saudáveis", especificou Pauline Zaenker, diretora do estudo, em comunicado.

Um em cada três cancros detetados é cancro de pele, segundo a Organização Mundial de Saúde

Em declarações à BBC, Zilman refere que na prática clínica de rotina é um pouco difícil afirmar que o melanoma está em estágio inicial e sublinhou o facto de este exame poder contribuir para acelerar o diagnóstico. "O médico pode fazer o teste antes da biópsia", afirmou. "Se pudermos remover o melanoma quando ele tiver menos de 1 milímetro de espessura, pode-se ter entre 98 a 99% de hipótese de sobrevivência", afirmou a cientista sobre este tipo de cancro de pele que se alastra rapidamente pelo corpo, diminuindo "drasticamente" as taxas de sobrevivência.

O próximo passo dos cientistas é chegar aos 90% de precisão nos resultados para que este exame ao sangue possa ser aprovado e distribuído internacionalmente dentro de cinco anos.

Um em cada três cancros detetados é cancro de pele, segundo a Organização Mundial de Saúde. A Austrália tem uma das maiores prevalências de melanoma no mundo, devido aos níveis elevados dos raios ultravioletas, combinados com uma população maioritariamente de origem europeia.

Cancro da pele está a aumentar em Portugal

Em Portugal, o cancro da pele está a aumentar. "Estimamos que haja 12 mil novos casos de cancro de pele este ano em Portugal e mil serão de melanoma", afirmou esta quinta-feira à agência Lusa o presidente da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo, Osvaldo Correia.

De acordo com o especialista, os melanomas correspondem entre 5 a 10% de todos os cancros de pele.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.