Exame ao sangue pode detetar cancro da pele na fase inicial

Investigadores australianos desenvolveram um exame experimental ao sangue para detetar o melanoma, o tipo de cancro da pele mais perigoso, na sua fase inicial

É anunciado como o primeiro teste ao sangue capaz de detetar o melanoma, um tipo de cancro da pele, na sua fase inicial. Foi desenvolvido por um grupo de cientistas australianos e poderá fazer o diagnostico precoce deste agressivo cancro da pele e salvar milhares de vidas. Atualmente, o diagnóstico é baseado num exame clínico efetuado por um médico. Em caso de lesão suspeita, ela é removida cirurgicamente e alvo de biópsia.

Os investigadores da Universidade de Edith Cowan realizaram testes que envolveram 209 pessoas, metade das quais tinha cancro. Os exames realizados detetaram melanoma numa fase inicial em 79% dos casos. As conclusões da investigação foram publicadas terça-feira, dia 17 de julho, na revista biomédica Oncotarget.

"Os anticorpos têm um acesso fácil ao sangue, por isso este teste é fantástico para identificar um cancro na fase inicial"

O teste ao sangue desenvolvido pelos cientistas deteta este tipo de cancro na pele ao reconhecer os anticorpos que o corpo produz para combater as células cancerígenas numa fase inicial.

"Os anticorpos têm um acesso fácil ao sangue, por isso este teste é fantástico para identificar um cancro na fase inicial", disse Mel Ziman, responsável pelo grupo de investigadores, citado pela CNN.

"Nós analisamos um total de 1.627 tipos diferentes de anticorpos para identificar uma combinação de 10 anticorpos que são os melhores indicadores da presença de melanoma em pacientes afetados em comparação com voluntários saudáveis", especificou Pauline Zaenker, diretora do estudo, em comunicado.

Um em cada três cancros detetados é cancro de pele, segundo a Organização Mundial de Saúde

Em declarações à BBC, Zilman refere que na prática clínica de rotina é um pouco difícil afirmar que o melanoma está em estágio inicial e sublinhou o facto de este exame poder contribuir para acelerar o diagnóstico. "O médico pode fazer o teste antes da biópsia", afirmou. "Se pudermos remover o melanoma quando ele tiver menos de 1 milímetro de espessura, pode-se ter entre 98 a 99% de hipótese de sobrevivência", afirmou a cientista sobre este tipo de cancro de pele que se alastra rapidamente pelo corpo, diminuindo "drasticamente" as taxas de sobrevivência.

O próximo passo dos cientistas é chegar aos 90% de precisão nos resultados para que este exame ao sangue possa ser aprovado e distribuído internacionalmente dentro de cinco anos.

Um em cada três cancros detetados é cancro de pele, segundo a Organização Mundial de Saúde. A Austrália tem uma das maiores prevalências de melanoma no mundo, devido aos níveis elevados dos raios ultravioletas, combinados com uma população maioritariamente de origem europeia.

Cancro da pele está a aumentar em Portugal

Em Portugal, o cancro da pele está a aumentar. "Estimamos que haja 12 mil novos casos de cancro de pele este ano em Portugal e mil serão de melanoma", afirmou esta quinta-feira à agência Lusa o presidente da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo, Osvaldo Correia.

De acordo com o especialista, os melanomas correspondem entre 5 a 10% de todos os cancros de pele.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)