ERC vai investigar presença de Mário Machado em programa de Goucha

O líder da organização de extrema direita Nova Ordem Social defendeu a necessidade de um novo Salazar em Portugal, na TVI. Reguladora dos media recebeu queixas e anunciou investigação.

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) recebeu queixas motivadas pela ​​​​participação do líder de extrema-direita Mário Machado na rubrica "Diga de Sua (In)Justiça" do programa "Você na TV" da TVI, esta quinta-feira. "Precisamos de um novo Salazar?" foi o mote para a conversa.

"A ERC confirma a receção de participações que visam o programa "Você na TV" emitido, no dia 3 de janeiro de 2019, no serviço de programas TVI. Estas serão apreciadas pelos serviços da ERC, nos trâmites habituais", confirmou por escrito ao DN o gabinete de comunicação do regulador.

Durante o programa, Mário Machado, líder da organização política Nova Ordem Social, defendeu a necessidade de um novo Salazar para Portugal. Também o repórter Bruno Caetano, responsável pela rubrica admitiu esta possibilidade: "Em certas partes da vida de Salazar, acho que este faz falta nomeadamente no que diz respeito a autoridade".

De acordo estarão 32% das 10.600 pessoas que votaram na sondagem lançada pelo apresentador Manuel Luís Goucha no seu Facebook com a pergunta "Acha que precisamos de um novo Salazar?".

Manuel Luís Goucha iniciou a conversa precisamente explicando que o convite não foi feito por si e que aceitou a ideia "porque vivemos numa democracia e todas as pessoas com os seus pontos de vista serão bem vindos".

O DN pediu uma reação a este anúncio da ERC a Manuel Luís Goucha e à estação de televisão de Queluz, mas até ao momento ainda não foi possível.

SOS Racismo diz que "Mário Machado na TVI é branquear a violência e normalizar o racismo"

"Num país cuja Constituição proíbe e bem organizações que professam o fascismo, o nazismo e o racismo, a TVI decidiu estender o tapete a um dos chefes de fila da extrema-direita portuguesa, sobejamente conhecido por defender o fascismo e o racismo e a violência a eles associada", pode ler-se num comunicado da associação SOS Racismo enviado às redações esta tarde.

A organização criticou a iniciativa do canal de televisão e faz um apelo "às entidades responsáveis pela supervisão da comunicação social, bem como à tutela, que tomem as medidas necessárias para impedir que a comunicação social se transforme numa caixa de ressonância da ideologia racista no país".

"Dar palco à ideologia fascista e racista seja em que circunstância for, não é nenhum exercício de liberdade de expressão é, antes pelo contrário, contribuir para perigar os alicerces do Estado de Direito Democrático e constituiu uma afronta aos valores de liberdade, dignidade e igualdade".

Ler mais

Exclusivos