Ensino Superior: Quase todas as 5 mil vagas que sobram estão no interior

Lugares disponíveis em Lisboa e Porto são cerca de uma dezena

Das mais de cinco mil vagas ainda por ocupar no ensino superior público, a quase totalidade encontra-se nas instituições fora de Lisboa e Porto, onde apenas restam algumas dezenas de vagas.

De acordo com dados hoje divulgados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), são residuais as vagas ainda disponíveis em Lisboa e Porto, cerca de uma dezena, com a maioria dos 5 254 lugares vagos a encontrarem-se nas instituições que o Governo pretendia beneficiar com a medida que cortou 1100 vagas nas instituições das duas maiores cidades do país, tentando contribuir para uma maior coesão territorial, estimulando a procura de universidades e politécnicos localizados no interior do país.

A medida acabou por se traduzir numa redistribuição de vagas em instituições que não apresentavam qualquer problema ao nível de procura, nem se localizam em zonas demograficamente pressionadas, como as de Coimbra, Minho ou Aveiro.

Há 304 cursos ainda com vagas por preencher, maioritariamente nos institutos politécnicos, contra 762 já completamente cheios.

Um total de 48 cursos não tiveram qualquer candidato, os quais mantém nesta fase do concurso a quase totalidade das vagas por ocupar.

Menos candidatos

O ensino superior público ficou com 5.254 vagas por preencher no final da 2.ª fase de candidatura do concurso nacional de acesso, que este ano, à semelhança do que aconteceu na 1.ª fase, registou uma redução de candidatos.

Segundo a DGES, "para a segunda fase, o número de vagas colocadas a concurso foi de 12.457, às quais acresceram 2.149 vagas libertadas por candidatos colocados e matriculados na primeira fase que foram agora colocados na segunda fase".

Às vagas disponíveis candidataram-se 17.109 candidatos, menos do que os 19.135 de 2017, e apenas foram colocados 9.452 estudantes.

A matrícula dos estudantes colocados nesta fase decorre entre 27 de setembro e 01 de outubro e cabe a cada instituição decidir se abre uma 3.ª fase de acesso com as vagas sobrantes.

As vagas disponíveis para a 3.ª fase são divulgadas a 04 de outubro no portal da DGES e a fase de candidatura decorrerá entre 04 e 08 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.