Casas de areia e cal? Arquitetos querem recuperar a tradição

É sustentável, reutilizável, de baixo custo e apresenta bom comportamento térmico e acústico. Há especialistas que defendem a reativação da produção de adobe em Portugal, tanto para reabilitação como para novas construções

Quando se aproximava o casamento, os pais dos noivos marcavam um dia para uma "ajuntada" de amigos. De forma voluntária, rapazes e raparigas, novos e velhos, disponibilizavam-se para fazer o material de construção para a casa dos noivos. Escavavam uma cova num terreno de "areia gorda" e extraíam a quantidade necessária, que, misturada com "cal viva" e água, daria origem ao adobe. Foi assim que nasceram muitas das casas que ainda se mantêm de pé - algumas recuperadas, outras em ruínas - na freguesia do Seixo, no concelho de Mira, onde neste sábado haverá uma recriação da sua produção, numa iniciativa apoiada pela Universidade de Aveiro (UA).

O adobe é um dos materiais de construção mais antigos e, apesar de a sua produção estar extinta em Portugal desde os anos 60 do século XX, há investigadores que consideram ter um futuro promissor. É o caso de Alice Tavares, arquiteta, doutorada em reabilitação de edifícios e professora convidada do departamento de Engenharia Civil da UA, que considera estar a aumentar o interesse pela reativação desta técnica.

"Já não há ninguém a produzir adobe em Portugal, mas há pressão por parte dos estrangeiros e nacionais, que procuram técnicas construtivas sustentáveis e de baixos consumos energéticos. Por outro lado, há também uma procura de maior autenticidade destinada a um turismo cultural e de natureza que se encontra em desenvolvimento", diz ao DN a também presidente da Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património (APRUPP), ressalvando que existem apenas algumas "produções pontuais, experiências".

Manuel Pereira, 62 anos, natural do Seixo, estima que já só estejam vivos três "adobeiros" na freguesia, mas nenhum no ativo. Um deles é o seu pai. "Sei o que o meu avô e o meu pai me ensinaram, e o que fui aprendendo com os amigos nos últimos 30 anos. Interesso-me pelas origens." Vestido a rigor para receber o DN no local onde vai decorrer a recriação - calções pelo joelho, camisa aos quadrados, lenço vermelho ao pescoço e chapéu de palha -, conta que "os barreiros [onde a população se juntava] tinham um espírito comunitário. Trabalhava-se em troca de umas papas de abóbora e de uns torresmos no final".

Agora, as gentes da freguesia tentam recuperar a tradição, também como forma de inverter a tendência de demolição das casas típicas. Ao DN, Raul Almeida, presidente da Câmara Municipal de Mira, confirma que há um interesse cada vez maior na recuperação das casas gandaresas, feitas de adobe de areia e cal, seco ao sol: construções térreas, com pátio fechado, formadas pela sequência janela-porta-janela e um portão largo por onde entravam os carros de bois e o material agrícola. "Representam o nosso passado, a nossa cultura. São o nosso património", sublinha, lembrando que existe um projeto para a criação de uma rede de unidades de alojamento local instaladas nas tradicionais casas gandaresas.

Para o arquiteto José Baganha, que em 2017 ganhou o prémio Rafael Manzano para obras novas feitas segundo características e processos tradicionais, "faz todo o sentido" reativar esta técnica. "Tudo o que possa tirar partido dos recursos locais, naturais, é bom. Esta é uma técnica com milénios, que é comprovadamente eficaz e adequada à construção", diz ao DN, destacando o facto de ser "amiga do ambiente". Realça, no entanto, que deve ser encarada de uma maneira atual: "Não é preciso fazer o adobe como se fazia há dois mil anos." E será adequada apenas onde existirem os recursos necessários à sua produção.

"Absorve a humidade em excesso"

Há vários anos que o departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro desenvolve investigação sobre arquitetura de terra, onde se inclui o adobe. Ali estudam questões térmicas, de humidade e de conforto. Fazem monitorização nas próprias casas, mas uma grande parte do trabalho é desenvolvida no laboratório. Numa breve visita pelo espaço, é possível encontrar vários blocos de adobe retirados de casas, algumas das quais centenárias: se tem marca, foi comprado; quando não tem, foi feito pela população.

Extinto sobretudo "devido à pressão das indústrias de cerâmica que se instalaram na região no passado, mas também devido à sazonalidade da produção de adobe", como explica Alice Tavares, o adobe apresenta algumas vantagens em relação às técnicas de construção mais modernas. "Só se gasta energia elétrica no transporte do material, tudo o resto é mão-de-obra", indica a presidente da APRUPP, destacando uma "diminuição considerável nos custos". Por outro lado, não é necessário ar condicionado, uma vez que mantém a temperatura amena no interior. Já no inverno, pode tornar-se demasiado frio, o que pode ser resolvido "com isolamento térmico na cobertura e a utilização de elementos como portadas". No que diz respeito à acústica, "o som não passa porque é maciço, consistente".

Há ainda outro facto que, segundo a arquiteta, deveria ser estudado do ponto de vista de ganhos para a saúde: "Absorve a humidade em excesso que existe na casa e liberta quando o ar está seco."

Alice Tavares adianta que, atualmente, não há soluções para quem procura reabilitar ou ampliar construções em adobe. A UA apoia tecnicamente a reabilitação, faz análises do ponto de vista estrutural, emite pareceres aos municípios sobre pedidos de demolição. "Mas não há produção de adobe no país. Para se usar, tem de se retirar de uma construção antiga [pode ser reutilizado]."

"Queremos que a técnica seja reativada para ser usada nas reabilitações. E porque não nas casas feitas de raiz? Faz-se na Nova Zelândia, nos EUA, na Austrália", diz a especialista em reabilitação. Reconhece que "o sistema produtivo poderia ser melhorado", mas garante que "uma construção de adobe cumpre a sua função". Embora haja a ideia de que o adobe se desintegra mais facilmente, Alice Tavares assegura que "resiste cem, 200 anos". E pode ser usado nos diferentes tipos de construções. Contudo, destaca, persistem mitos, que têm de ser desfeitos: "Que é uma construção do passado, por exemplo. Ou que é de famílias pobres. Há muitos palacetes e edifícios públicos em adobe."

A extinção dos fornos de cal

Em Portugal, eram usados sobretudo dois tipos de adobe: o de terra (feito com terra argilosa à qual era adicionada, muitas vezes, palha) e o de cal (composto por terra arenosa e cal). Enquanto o primeiro era mais frequente no Alentejo e no Algarve, o último era característico da Beira Litoral. Arnaldo Barreto, de 75 anos, recorda-se de existirem mais de 50 fornos de cal na localidade de Fornos, em Cantanhede. Construiu os seus há mais de 50 anos, e entretanto passou o negócio ao filho. Um dos poucos, se não mesmo o único, que sobrevivem na região. "Quando se faziam as casas em adobe, vendíamos a cal ao metro, tanto para fazer adobe como para a argamassa. Depois vieram os blocos de cimento e acabou tudo." Restam as recriações.

Alice Tavares conta que a iniciativa pela Defesa do Património da Região Gandaresa feita em Mira será registada em vídeo e divulgada durante o 6.º Fórum Internacional do Património Arquitetónico Portugal-Brasil, que se realizará em maio de 2019 no Mosteiro da Batalha.

Ler mais