Disparam as mortes de golfinhos portugueses em perigo de extinção

Há um número anormal de botos, o mais pequeno dos golfinhos, apanhados este ano nas redes de pesca nacionais. Esgotaram-se as verbas para proteger a espécie da captura acidental

A Costa da Prata está a tornar-se numa espécie de matadouro para os Phocoena phocoena , vulgarmente conhecidos como botos - os mais pequenos cetáceos que existem no planeta. De janeiro a junho deste ano morreram 27 destes golfinhos em redes de pesca, mais do que em todo o ano de 2017. A espécie estava já à beira da extinção em águas portuguesas, mas os últimos seis meses têm sido, segundo a Universidade de Aveiro (UA), uma catástrofe.

"Estes 27 arrojamentos são os que conseguimos detetar, porque o número é seguramente bem superior. Nos 12 meses de 2017 tinham-se verificado 25 casos", diz Catarina Eira, bióloga que dirigiu de 2011 a 2017 o LIFE MarPro, projecto co-financiado por fundos europeus e liderado pela UA, para a conservação de espécies marinhas portuguesas como o boto e o golfinho-roaz.

A pesca, sobretudo a tradicional arte xávega - predominante no centro do país - é a grande responsável pelo fenómeno. Ainda assim, os investigadores recusam-se a ver nela o inimigo. "Nenhum pescador quer matar golfinhos. São animais que nem sequer significam rendimento." Há uma solução para o problema: a instalação de alarmes pinger, que emitem um sinal que afasta os cetáceos das redes de pesca. Há um problema na solução: são aparelhos extremamente caros.

O fim do financiamento do programa LIFE em dezembro do ano passado fez com que deixassem de ser distribuídos pingers pelos pescadores. Cada rede precisa de três a quatro aparelhos, cada traineira tem em média sete a dez redes. "Gastámos 100 mil euros em pingers, que distribuímos. Agora chovem telefonemas de pescadores que querem usá-los para ajudar a preservar a espécie, mas já não os temos nem sabemos se voltaremos a ter", lamenta Catarina Eira.

É essa a única solução que pode reverter agora o processo de extinção dos botos em águas territoriais portuguesas. "Existem hoje menos de 2000 espécimes, mas o número está a reduzir-se a uma velocidade alarmante", diz a investigadora. Na semana passada, a revista ambiental online Wilder dizia que os investigadores estimavam a extinção dos botos em Portugal em duas décadas. "Mas é provável que este aumento na mortalidade venha a revelar um prazo de extinção ainda mais curto para esta subpopulação."

Os botos são animais costeiros, discretos e raramente ultrapassam o metro e meio de comprido. Em toda a Europa a população está em regressão, mas o problema é particularmente grave na costa portuguesa e galega. "A universidade de Groningen, na Holanda, tem analisado vários exemplares e acreditamos que, a muito curto prazo, anunciará que o nosso boto tem características próprias que lhe permitem ser classificado como subespécie", revela a investigadora da UA. Uma subespécie portuguesa, sim, mas cuja extinção está por um fio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.