Disparam as mortes de golfinhos portugueses em perigo de extinção

Há um número anormal de botos, o mais pequeno dos golfinhos, apanhados este ano nas redes de pesca nacionais. Esgotaram-se as verbas para proteger a espécie da captura acidental

A Costa da Prata está a tornar-se numa espécie de matadouro para os Phocoena phocoena , vulgarmente conhecidos como botos - os mais pequenos cetáceos que existem no planeta. De janeiro a junho deste ano morreram 27 destes golfinhos em redes de pesca, mais do que em todo o ano de 2017. A espécie estava já à beira da extinção em águas portuguesas, mas os últimos seis meses têm sido, segundo a Universidade de Aveiro (UA), uma catástrofe.

"Estes 27 arrojamentos são os que conseguimos detetar, porque o número é seguramente bem superior. Nos 12 meses de 2017 tinham-se verificado 25 casos", diz Catarina Eira, bióloga que dirigiu de 2011 a 2017 o LIFE MarPro, projecto co-financiado por fundos europeus e liderado pela UA, para a conservação de espécies marinhas portuguesas como o boto e o golfinho-roaz.

A pesca, sobretudo a tradicional arte xávega - predominante no centro do país - é a grande responsável pelo fenómeno. Ainda assim, os investigadores recusam-se a ver nela o inimigo. "Nenhum pescador quer matar golfinhos. São animais que nem sequer significam rendimento." Há uma solução para o problema: a instalação de alarmes pinger, que emitem um sinal que afasta os cetáceos das redes de pesca. Há um problema na solução: são aparelhos extremamente caros.

O fim do financiamento do programa LIFE em dezembro do ano passado fez com que deixassem de ser distribuídos pingers pelos pescadores. Cada rede precisa de três a quatro aparelhos, cada traineira tem em média sete a dez redes. "Gastámos 100 mil euros em pingers, que distribuímos. Agora chovem telefonemas de pescadores que querem usá-los para ajudar a preservar a espécie, mas já não os temos nem sabemos se voltaremos a ter", lamenta Catarina Eira.

É essa a única solução que pode reverter agora o processo de extinção dos botos em águas territoriais portuguesas. "Existem hoje menos de 2000 espécimes, mas o número está a reduzir-se a uma velocidade alarmante", diz a investigadora. Na semana passada, a revista ambiental online Wilder dizia que os investigadores estimavam a extinção dos botos em Portugal em duas décadas. "Mas é provável que este aumento na mortalidade venha a revelar um prazo de extinção ainda mais curto para esta subpopulação."

Os botos são animais costeiros, discretos e raramente ultrapassam o metro e meio de comprido. Em toda a Europa a população está em regressão, mas o problema é particularmente grave na costa portuguesa e galega. "A universidade de Groningen, na Holanda, tem analisado vários exemplares e acreditamos que, a muito curto prazo, anunciará que o nosso boto tem características próprias que lhe permitem ser classificado como subespécie", revela a investigadora da UA. Uma subespécie portuguesa, sim, mas cuja extinção está por um fio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...