Desvendado o mistério do papiro de Basileia: "Uma descoberta sensacional"

Durante meio milénio o fragmento indecifrável intrigou os especialistas. Mas um pouco de luz ultravioleta revelou um enorme surpresa

Património da cidade de Basileia há meio milénio, o pedacinho de papiro, escrito em espelho e de ambos os lados, intrigou gerações de especialistas. Que mensagem traria até hoje, desde há dois mil anos?

Supunha-se que poderia ser da autoria de Galeno, o médico romano, que só Hipócrates, o grego, suplantou em fama na antiguidade. Mas como confirmá-lo?

Sabine Hubner, professora e investigadora de História Antiga da Universidade de Basileia, que liderou nos últimos três anos um projeto para digitalizar, transcrever e anotar toda a coleção de papiros da própria universidade, acabou por incluir também este fragmento no estudo (que não é propriedade da universidade). E o que aconteceu foi uma enorme surpresa.

Quando olharam mais de perto para o fragmento, sob as luzes ultravioletas e de infravermelhos da instrumentação do laboratório, Sabine Hubner e a sua equipa aperceberam-se de que não se tratava apenas de um papiro, mas de vários sobrepostos e colados. E isso tinha passado despercebido a toda a gente desde há 500 anos.

"Uma descoberta sensacional"

Chamado propositadamente a Basileia, um especialista internacional em tratamento e conservação destes materiais descolou e separou os papiros, o que acabou por tornar a sua leitura, finalmente, possível.

A suspeita de que poderá tratar-se de um escrito de Galeno não pôde ser confirmada a cem por cento (não está lá o seu nome), mas o texto, uma descrição médica do fenómeno da "apneia histérica", aumenta muito essa probabilidades, segundo a Sabine Hubner.

Mas este também não é o fim da história. A maior surpresa ainda estava para vir: é que os outros papiros, que estavam colados ao original, contêm um texto literário de um autor anónimo, ainda não está decifrado.

"É uma descoberta sensacional", diz entusiasmada a investigadora suíça. "A maioria dos papiros são documentos como cartas, contratos ou receitas, este é um texto literário, o que o torna muito mais valioso".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.