Descoberta nova espécie da ave mais antiga da Terra

A nova espécie foi batizada de "Arqueoptérix albersdoerferi"

Uma nova espécie da famosa primeira ave da terra, o arqueoptérix, que fez a transição entre répteis e aves, foi descoberta na Alemanha, segundo um estudo hoje publicado na revista "Historical Biology".

Depois de mais se sete anos de investigação foi estabelecida a existência da nova espécie, batizada "Arqueoptérix albersdoerferi".

Ao contrário de estudos anteriores, o arqueoptérix é agora mostrado de forma conclusiva como um antecedente primitivo das aves e um intermediário evolutivo entre dinossauros e aves, possuindo dentes e dedos com garras.

O estudo divulgado hoje recorreu a análises usando novas técnicas para dissecar virtualmente o fóssil e identificar adaptações esqueléticas que teriam levado o arqueoptérix a voar.

"É uma das espécies mais importantes do arqueoptérix porque é cerca de 400 mil anos mais jovem do que qualquer outro encontrado agora", disse o principal autor do estudo, Martin Kundrat, da universidade Pavol Jozef Safarik, na Eslováquia.

O responsável acrescentou que foi a primeira vez que muitos ossos e dentes de arqueoptérix "foram vistos sob todos os aspetos, incluindo a sua estrutura interna", e salientou o uso da chamada "microtomografia sincrotron", uma técnica que é usada há poucos anos para revelar aspetos de fósseis que não seriam visíveis de outra forma.

Os especialistas fizeram a análise geoquímica da rocha que envolve os ossos para encontrar a idade da ave e dizem que a nova espécie partilha mais características com as modernas aves do que com os seus antepassados dinossauros.

As características sugerem que o "Arqueoptérix albersdoerferi" teria possuído maior capacidade de voo do que as espécies mais antigas, nomeadamente por ter ossos finos cheios de ar e maior área de fixação dos músculos de voo.

Os fósseis de 150 milhões de anos do arqueoptérix são conhecidos desde 1861, com 12 espécies recuperadas até hoje. O fóssil do presente estudo é um dos mais misteriosos. Foi descoberto numa pedreira no sul da Alemanha em 1990 mas foi mantido em propriedade privada até 2009.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.