Concurso para recrutar médicos para o SNS: 117 vagas ficaram por preencher

O Ministério da Saúde disponibilizou 1234 vagas, mas só 1117 médicos concorreram ao concurso para recém-especialistas. Um dos objetivos era captar profissionais para o SNS, mas quase 10% das vagas ficaram por preencher

Um dos objetivos era recrutar médicos que estão fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas das 1234 vagas que o Ministério da Saúde disponibilizou no concurso para recém-especialistas, 117 lugares (9,5% do total) não tiveram nenhum candidato, de acordo com o jornal Público, que adianta, no entanto, que em algumas áreas houve mais candidatos do que lugares.

Segundo o diário, concorreram 1117 médicos naquele que foi considerado o maior concurso para recém-especialistas nos últimos anos. De acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), 351 foram de medicina geral e familiar e 766 das áreas hospitalares e saúde pública.​​​​​

O concurso foi lançado a 26 de julho e na altura o secretário de Estado da Saúde, Fernando Araújo, explicou que o número de vagas era "cerca de 10 a 15% acima do número de médicos que terminaram o internato". Na mesma ocasião, o governante afirmou que o objetivo do concurso era "captar médicos que estão fora do SNS", referindo-se aos profissionais que optaram por trabalhar no privado ou que tivessem emigrado.

O jornal escreve que apesar de nem todas as vagas terem sido ocupadas, em 16 das 44 especialidades o número de candidatos foi igual ou superior ao de vagas lançadas. Já noutras especialidades aconteceu o inverso e os números da ACSS referem que a cirurgia maxilo-facial não teve nenhum candidato.

Para o Ministério da Saúde o número de candidatos a concurso foi o mais alto de sempre

O número de candidatos ao concurso deste ano para médicos recém-especialistas foi o mais elevado de sempre, segundo o Ministério da Saúde, que sublinha que geralmente ficam vazias mais de 10% das vagas.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde sublinhou que a captação de médicos do atual concurso para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) "foi superior ao que acontece em anos anteriores". Fernando Araújo afirma mesmo que "os números são muito positivos" e que "nunca tinham concorrido tantos médicos".

Concorreram este ano 1117 médicos, quando no ano passado, por exemplo, concorreram 810 profissionais, disse o secretário de Estado.

Fernando Araújo reconhece que este concurso vem demonstrar que "quanto mais célere for a abertura de concursos, mais capacidade há de captar profissionais".

As várias estruturas médicas pressionaram este ano o Governo para que não se atrasasse a abrir os concursos para os jovens que terminaram o internato este ano, depois de no ano passado o concurso ter demorado mais de 10 meses a abrir. Este ano o concurso foi aberto cerca de três meses depois.

O número de candidatos ao concurso deste ano para médicos recém-especialistas foi o mais elevado de sempre, segundo o Ministério da Saúde, que sublinha que geralmente ficam vazias mais de 10% das vagas.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde sublinhou que a captação de médicos do atual concurso para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) "foi superior ao que acontece em anos anteriores". Fernando Araújo afirma mesmo que "os números são muito positivos" e que "nunca tinham concorrido tantos médicos".

O concurso para a entrada de médicos recém-especialistas no SNS ficou com 117 das 1.234 vagas por preencher, o que representa menos de 10% de vagas vazias.

Concorreram este ano 1.117 médicos, quando no ano passado, por exemplo, concorreram 810 profissionais, disse o secretário de Estado.

Fernando Araújo reconhece que este concurso vem demonstrar que "quanto mais célere for a abertura de concursos, mais capacidade há de captar profissionais".

As várias estruturas médicas pressionaram este ano o Governo para que não se atrasasse a abrir os concursos para os jovens que terminaram o internato este ano, depois de no ano passado o concurso ter demorado mais de 10 meses a abrir. Este ano o concurso foi aberto cerca de três meses depois.

As 1234 vagas postas a concurso eram entre 10% a 15% superiores ao número dos médicos recém-especialistas que terminaram o internato, tendo o Ministério da Saúde explicado que o objetivo era tentar captar médicos de fora do SNS.

Questionado sobre se este objetivo falhou, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde indicou que "houve alguns médicos de fora" do SNS que concorreram, mas ainda não há dados totais e objetivos que permitam perceber quantos.

"Também não esperávamos uma avalanche de médicos de fora", adiantou.

Bastonário da Ordem dos Médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos disse já igualmente que a proporção de candidatos a concorrer a este concurso é até mais alta que o habitual.

"Este concurso abriu mais vagas do que os potenciais candidatos. Numa análise que é ainda superficial, a percentagem de candidatos recém-especialistas deste concurso é mais alta do que o habitual. Isto mostra quanto mais cedo abrem os concursos maior é a percentagem de ocupação de vagas", disse à agência Lusa o bastonário Miguel Guimarães.

Questionado sobre se este objetivo falhou, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde indicou que "houve alguns médicos de fora" do SNS que concorreram, mas ainda não há dados totais e objetivos que permitam perceber quantos.

"Também não esperávamos uma avalanche de médicos de fora", adiantou.

Com Lusa.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.