Concurso para recrutar médicos para o SNS: 117 vagas ficaram por preencher

O Ministério da Saúde disponibilizou 1234 vagas, mas só 1117 médicos concorreram ao concurso para recém-especialistas. Um dos objetivos era captar profissionais para o SNS, mas quase 10% das vagas ficaram por preencher

Um dos objetivos era recrutar médicos que estão fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas das 1234 vagas que o Ministério da Saúde disponibilizou no concurso para recém-especialistas, 117 lugares (9,5% do total) não tiveram nenhum candidato, de acordo com o jornal Público, que adianta, no entanto, que em algumas áreas houve mais candidatos do que lugares.

Segundo o diário, concorreram 1117 médicos naquele que foi considerado o maior concurso para recém-especialistas nos últimos anos. De acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), 351 foram de medicina geral e familiar e 766 das áreas hospitalares e saúde pública.​​​​​

O concurso foi lançado a 26 de julho e na altura o secretário de Estado da Saúde, Fernando Araújo, explicou que o número de vagas era "cerca de 10 a 15% acima do número de médicos que terminaram o internato". Na mesma ocasião, o governante afirmou que o objetivo do concurso era "captar médicos que estão fora do SNS", referindo-se aos profissionais que optaram por trabalhar no privado ou que tivessem emigrado.

O jornal escreve que apesar de nem todas as vagas terem sido ocupadas, em 16 das 44 especialidades o número de candidatos foi igual ou superior ao de vagas lançadas. Já noutras especialidades aconteceu o inverso e os números da ACSS referem que a cirurgia maxilo-facial não teve nenhum candidato.

Para o Ministério da Saúde o número de candidatos a concurso foi o mais alto de sempre

O número de candidatos ao concurso deste ano para médicos recém-especialistas foi o mais elevado de sempre, segundo o Ministério da Saúde, que sublinha que geralmente ficam vazias mais de 10% das vagas.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde sublinhou que a captação de médicos do atual concurso para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) "foi superior ao que acontece em anos anteriores". Fernando Araújo afirma mesmo que "os números são muito positivos" e que "nunca tinham concorrido tantos médicos".

Concorreram este ano 1117 médicos, quando no ano passado, por exemplo, concorreram 810 profissionais, disse o secretário de Estado.

Fernando Araújo reconhece que este concurso vem demonstrar que "quanto mais célere for a abertura de concursos, mais capacidade há de captar profissionais".

As várias estruturas médicas pressionaram este ano o Governo para que não se atrasasse a abrir os concursos para os jovens que terminaram o internato este ano, depois de no ano passado o concurso ter demorado mais de 10 meses a abrir. Este ano o concurso foi aberto cerca de três meses depois.

O número de candidatos ao concurso deste ano para médicos recém-especialistas foi o mais elevado de sempre, segundo o Ministério da Saúde, que sublinha que geralmente ficam vazias mais de 10% das vagas.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde sublinhou que a captação de médicos do atual concurso para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) "foi superior ao que acontece em anos anteriores". Fernando Araújo afirma mesmo que "os números são muito positivos" e que "nunca tinham concorrido tantos médicos".

O concurso para a entrada de médicos recém-especialistas no SNS ficou com 117 das 1.234 vagas por preencher, o que representa menos de 10% de vagas vazias.

Concorreram este ano 1.117 médicos, quando no ano passado, por exemplo, concorreram 810 profissionais, disse o secretário de Estado.

Fernando Araújo reconhece que este concurso vem demonstrar que "quanto mais célere for a abertura de concursos, mais capacidade há de captar profissionais".

As várias estruturas médicas pressionaram este ano o Governo para que não se atrasasse a abrir os concursos para os jovens que terminaram o internato este ano, depois de no ano passado o concurso ter demorado mais de 10 meses a abrir. Este ano o concurso foi aberto cerca de três meses depois.

As 1234 vagas postas a concurso eram entre 10% a 15% superiores ao número dos médicos recém-especialistas que terminaram o internato, tendo o Ministério da Saúde explicado que o objetivo era tentar captar médicos de fora do SNS.

Questionado sobre se este objetivo falhou, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde indicou que "houve alguns médicos de fora" do SNS que concorreram, mas ainda não há dados totais e objetivos que permitam perceber quantos.

"Também não esperávamos uma avalanche de médicos de fora", adiantou.

Bastonário da Ordem dos Médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos disse já igualmente que a proporção de candidatos a concorrer a este concurso é até mais alta que o habitual.

"Este concurso abriu mais vagas do que os potenciais candidatos. Numa análise que é ainda superficial, a percentagem de candidatos recém-especialistas deste concurso é mais alta do que o habitual. Isto mostra quanto mais cedo abrem os concursos maior é a percentagem de ocupação de vagas", disse à agência Lusa o bastonário Miguel Guimarães.

Questionado sobre se este objetivo falhou, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde indicou que "houve alguns médicos de fora" do SNS que concorreram, mas ainda não há dados totais e objetivos que permitam perceber quantos.

"Também não esperávamos uma avalanche de médicos de fora", adiantou.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.