Cientistas medem a velocidade da morte

Investigadores conseguiram perceber melhor como se propaga o processo de autodestruição celular nos seres vivos

Uma "onda de morte" que viaja a 30 micrómetros por minuto, ou dois milímetros por hora. É esta a velocidade a que as células se autodestroem, para dar lugar a outras ou permitir o desenvolvimento do corpo, segundo medição realizada por dois biólogos de sistemas da Universidade de Stanford, na Califórnia.

O estudo de Xianrui Cheng e James Ferrell, publicado na Science, foi realizado em ovos de rã e é importante para compreender melhor a forma como as células dos seres vivos morrem. Este é um fenómeno comum, que normalmente se realiza em dois passos: o interior da célula destrói-se e depois todo o conjunto se desintegra.

O processo é essencial para a gestação - por exemplo, é através da chamada "morte celular programada" que os dedos das mãos e dos pés do feto se formam, destruindo-se a membrana que os liga. Mas também ocorre ao longo da vida, sendo essencial para a regeneração do corpo.

Por dia, em média, o corpo humano perde mais de 50 mil milhões de células, escreve o The Guardian. Mas por vezes o mecanismo falha e, no limite, pode dar origem a tumores - células que se multiplicam sem parar, sem "saber" quando se devem destruir.

Durante a vida, a morte celular pode surgir através de uma espécie de "relógio interno" das células, mas também quando se dá uma "onda" que espoleta o processo - cada célula "sente" o seu vizinho a autodestruir-se e reage de acordo.

Foi a velocidade desta "onda" que os cientistas conseguiram agora medir.

O conhecimento aprofundado do ciclo de vida celular é fundamental para a compreensão da vida e para a prevenção e tratamento de várias doenças, como o cancro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.