Avaria na Soyuz a caminho da Estação Espacial Internacional obriga a aterragem de emergência. Astronautas estão vivos

Avaria na nave Soyuz obrigou tripulantes a fazer descida a alta velocidade

Dois astronautas a bordo da nave russa Soyuz MS-10 foram obrigados a fazer uma aterragem de emergência devido a uma falha nos propulsores, após o lançamento, no Cazaquistão, de acordo com a NASA. A nave devia transportar os dois tripulantes para a Estação Espacial Internacional onde permaneceriam durante seis meses. Neste momento desconhecem-se as causas que provocaram a falha no motor da Soyuz MS-10.

O astronauta norte-americano Nick Hague, da NASA, e o cosmonauta Alexey Ovchinin, da agência espacial russa ROSCOSMOS, regressaram à Terra usando uma trajetória mais acentuada que a trajetória aerodinâmica habitual, tendo sido sujeitos a pressões na ordem dos 6G. Em pessoas não treinadas, uma pressão assim pode provocar desmaio. Já estão a caminho equipas de resgate e demorará uma hora e meia para chegarem ao local.

A NASA informou que as equipas de resgate já chegaram ao local da aterragem tendo informado que os dois tripulantes estão em boas condições e já fora da cápsula.

Esta era a primeira missão no espaço para o norte-americano.

De acordo com os planos estava previsto que a nave viesse a cumprir quatro voltas à Terra durante seis horas para depois acoplar na Estação Espacial Internacional.

Na Estação Espacial Internacional encontram-se, desde junho, os membros da Missão 57, o comandante Alexander Gerst da Agência Espacial Europeia, a piloto da NASA, Serena Auñon-Chancellor e o piloto da Roscosmos Serguei Prokópiev.

Veja o vídeo em direto:

ROSCOMOS já está a investigar o acidente

A agência russa anunciou que já ordenou uma investigação ao acidente da Soyus para determinar o que levou à falha no motor. A ROSCOSMOS disse também que "as equipas de resgate funcionaram desde o primeiro segundo do acidente", bem como o sistema de emergência da Soyuz-MS. "Tripulação salva", sublinhou a agência russa.

Jim Bridenstine, administrador da NASA, publicou um tweet onde confirmou que o astronauta e o cosmonauta estão em boas condições. "Estou grato por todos estarem bem. Será iniciada uma investigação ao incidente", escreveu Bridenstine.

A tripulação da nave Soyuz S10 - o astronauta e o cosmonauta que aterraram de emergência e a tripulação de apoio - estão a caminho da cidade de Zhezkazgan, no Cazaquistão, de acordo com a agência russa, que disponibilizou um vídeo dos tripulantes a entrarem no avião.

(Notícia atualizada às 14:36]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.