Astronautas disputam primeira partida de ténis no espaço

Iniciativa da Associação de Ténis dos EUA pretendia promover a modalidade desportiva

Pela primeira vez foi disputada uma partida de ténis no espaço. O evento, organizado pela NASA e pela Associação de Ténis dos EUA, coincidiu com o torneio US Open e teve como objetivo mostrar a forma de os astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS) ocuparem os seus tempos livres e manterem-se em forma durante a sua estadia no espaço.

"Esta noite é sobre missões. É sobre a missão da USTA em promover e desenvolver o crescimento do ténis. Gostaríamos de dizer que estamos a falar do crescimento do ténis e da aparência dos Estados Unidos. Mas esta noite desempenhamos outro tipo de missão: uma missão espacial. A primeira missão de ténis para o espaço", pode ler-se num comunicado divulgado pela organização.

Para que esta proeza fosse possível, os astronautas Andrew Feustel, Ricky Arnold e Serena Auñón-Chancellor, da NASA (Agência Espacial Norte-americana), bem como Alexander Gerst, da ESA (Agência Espacial Europeia), recorreram a raquetes mais pequenas, a bolas feitas de espuma e a uma rede que flutuou na ISS. Deste modo, evitou-se danos nos equipamentos da estrutura caso houvesse alguma jogada mal executada.

Durante o planeamento da iniciativa, o comandante da Expedição 56, Andrew Feustel, explicou que os jogadores teriam de se habituar ao facto de as bolas não saltarem com a ausência da gravidade, pelo que foi necessário definir novas regras. "Para mim, o jogo vai ser semelhante ao Pong, no qual se acerta na bola e ela segue em linha reta, não pula nem faz nada", disse.

Em Nova Iorque foi construída uma escultura em forma do globo terrestre, a partir do qual foi transmitida a partida numa projeção em 3D. Pode ver como foi o jogo através de um vídeo partilhado pelo US Open Tennis Championships na rede social Facebook.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.