As palavras do regresso - blogue de Joel Neto

Joel Neto está em viagem pelos Açores a escrever um blogue sobre diferentes regressos - reais, ponderados ou fracassados -, tendo as ilhas como primeiro referencial. A partir de hoje podem segui-lo aqui.

Um livro. Um documentário. Um blog.


Desde Ítaca que o regresso constitui um tema recorrente na tradição literária ocidental. Não obstante, a literatura portuguesa, e em particular a literatura portuguesa contemporânea - incluindo o microcosmos da literatura açoriana, produzida em terra de migrações -, tem sido sobretudo uma literatura de partida. Mesmo o jornalismo o tem sido: de partida.


O projeto As Palavras do Regresso, da minha autoria e Catarina Ferreira de Almeida, propõe-se ajudar a preencher essa lacuna. Consiste fundamentalmente num livro centrado em diferentes tipos de regresso - reais e imaginários, ponderados e à pressa, bem-sucedidos e fracassados -, todos eles com as ilhas dos Açores como primeiro referencial, geográfico e emocional; num documentário de cinema, realizado por Arlindo Horta e com distribuição conjunta com o referido livro; e ainda num blog de viagem e making-of (este, precisamente).


Está no ADN dos povos o modo como abordam a viagem. E os açorianos são um povo de viagem. Viajam porque é a viagem o que os separa do mundo. Viajam porque é a viagem o que os separa da sobrevivência. Por outro lado, viajam porque não podem confinar-se, por mais um momento que seja, às fronteiras da ilha (à sua pequenez, ao seu pequeno horror) e logo sucumbem às saudades dela (e deles).


Mas onde está o verdadeiro regresso, afinal? No que regressa de facto ou no que o foi atrasando, porque na verdade nunca partiu? Dito mais à maneira de Chatwin: onde está o nómada? O nómada é aquele que viaja ou, pelo contrário, aquele que fica? É o que leva a casa com ele para onde quer que vá (o que procura incessantemente uma casa) ou o que permanece no mesmo sítio, a sonhar com a viagem (porque já tem uma casa)?
Aliás, que papel exatamente representa, nesse contexto, a ideia de casa? Que casa é essa a que se regressa? Que casas existem? Onde fica a nossa casa durante a nossa ausência? Que género de casa podemos construir nesse outro lugar de onde não somos? E é de regresso mesmo que falamos, ou é outra a palavra? É saudade, o que está em causa, ou é muito mais do que isso?


Em suma: pode ou não regressar-se a casa, independentemente do que dizia Tom Wolfe? Esse lugar ainda tem alguma coisa a oferecer àquele que regressa, malgré Kaváfis? Haverá mesmo um recomeço nisso, ao contrário do que defendia Steiner? Haverá recomeços, seja onde for?
E que palavra define o que liga o povo dos Açores aos seus nove desgarrados torrões espalhados por centenas de quilómetros de mar? Que palavra é essa que nem Nemésio formulou? De que palavras urdem e desmancham os açorianos a ideia de regresso - a do seu regresso e a do regresso dos outros -, como Penélope urdia e desmanchava a sua tapeçaria até que Ulisses, enfim, regressasse?


É precisamente em torno desse léxico que As Palavras do Regresso se propõe gravitar. Quantas vezes usou cada entrevistado, ao longo dos encontros com os autores do projeto, a palavra regresso (e suas derivações)? E a palavra saudade? E a palavra casa? E mãe? E pertença? E cansaço? E intimidade? E liberdade?

Quantas vezes insistiu ele numa palavra ainda para além destas? Qual é a sua palavra recorrente?
Quais são as palavras do regresso e qual é, no fundo, a suprema palavra do regresso? Eis a nossa demanda.

Siga os novos episódios a partir de amanhã. No DN e aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.