As palavras do regresso - blogue de Joel Neto

Joel Neto está em viagem pelos Açores a escrever um blogue sobre diferentes regressos - reais, ponderados ou fracassados -, tendo as ilhas como primeiro referencial. A partir de hoje podem segui-lo aqui.

Um livro. Um documentário. Um blog.


Desde Ítaca que o regresso constitui um tema recorrente na tradição literária ocidental. Não obstante, a literatura portuguesa, e em particular a literatura portuguesa contemporânea - incluindo o microcosmos da literatura açoriana, produzida em terra de migrações -, tem sido sobretudo uma literatura de partida. Mesmo o jornalismo o tem sido: de partida.


O projeto As Palavras do Regresso, da minha autoria e Catarina Ferreira de Almeida, propõe-se ajudar a preencher essa lacuna. Consiste fundamentalmente num livro centrado em diferentes tipos de regresso - reais e imaginários, ponderados e à pressa, bem-sucedidos e fracassados -, todos eles com as ilhas dos Açores como primeiro referencial, geográfico e emocional; num documentário de cinema, realizado por Arlindo Horta e com distribuição conjunta com o referido livro; e ainda num blog de viagem e making-of (este, precisamente).


Está no ADN dos povos o modo como abordam a viagem. E os açorianos são um povo de viagem. Viajam porque é a viagem o que os separa do mundo. Viajam porque é a viagem o que os separa da sobrevivência. Por outro lado, viajam porque não podem confinar-se, por mais um momento que seja, às fronteiras da ilha (à sua pequenez, ao seu pequeno horror) e logo sucumbem às saudades dela (e deles).


Mas onde está o verdadeiro regresso, afinal? No que regressa de facto ou no que o foi atrasando, porque na verdade nunca partiu? Dito mais à maneira de Chatwin: onde está o nómada? O nómada é aquele que viaja ou, pelo contrário, aquele que fica? É o que leva a casa com ele para onde quer que vá (o que procura incessantemente uma casa) ou o que permanece no mesmo sítio, a sonhar com a viagem (porque já tem uma casa)?
Aliás, que papel exatamente representa, nesse contexto, a ideia de casa? Que casa é essa a que se regressa? Que casas existem? Onde fica a nossa casa durante a nossa ausência? Que género de casa podemos construir nesse outro lugar de onde não somos? E é de regresso mesmo que falamos, ou é outra a palavra? É saudade, o que está em causa, ou é muito mais do que isso?


Em suma: pode ou não regressar-se a casa, independentemente do que dizia Tom Wolfe? Esse lugar ainda tem alguma coisa a oferecer àquele que regressa, malgré Kaváfis? Haverá mesmo um recomeço nisso, ao contrário do que defendia Steiner? Haverá recomeços, seja onde for?
E que palavra define o que liga o povo dos Açores aos seus nove desgarrados torrões espalhados por centenas de quilómetros de mar? Que palavra é essa que nem Nemésio formulou? De que palavras urdem e desmancham os açorianos a ideia de regresso - a do seu regresso e a do regresso dos outros -, como Penélope urdia e desmanchava a sua tapeçaria até que Ulisses, enfim, regressasse?


É precisamente em torno desse léxico que As Palavras do Regresso se propõe gravitar. Quantas vezes usou cada entrevistado, ao longo dos encontros com os autores do projeto, a palavra regresso (e suas derivações)? E a palavra saudade? E a palavra casa? E mãe? E pertença? E cansaço? E intimidade? E liberdade?

Quantas vezes insistiu ele numa palavra ainda para além destas? Qual é a sua palavra recorrente?
Quais são as palavras do regresso e qual é, no fundo, a suprema palavra do regresso? Eis a nossa demanda.

Siga os novos episódios a partir de amanhã. No DN e aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)