Agora já pode controlar o tempo que passa no Facebook e no Instagram

Passa a ser possível definir quanto tempo quer gastar nas redes sociais

Facebook e Instagram vão permitir aos utilizadores saberem quanto tempo passam por dia ou por semana nas aplicações. As ferramentas estarão disponíveis em breve, anunciaram as redes sociais.

O utilizador passa a poder estabelecer um limite de tempo que quer gastar nestas redes sociais e é notificado quando o ultrapassa. Esta feramente ainda não está disponível para desktop.

"Isto serve para dar às pessoas as ferramentas para elas decidirem por elas próprias o que é que querem estar a fazer", diz o diretor de informação do Facebook, David Ginsberg, citado na CNN.

Para passar a controlar o tempo que gasta nestas redes sociais tem de ir às definições da sua conta. Depois, no caso do Facebook carregar onde diz "Tempo no Facebook", no do Instagram onde está escrito "A tua atividade".

Quando o utilizador atinge o limite de tempo que definiu é informado com uma notificação, mas as aplicações não se desligam. As estatísticas do tempo de utilização só estão disponíveis para períodos mais longos, de uma semana.

O contador depende do aparelho eletrónico que está a usar. Se aceder à sua conta em mais do que um aparelho, terá de instalar esta ferramenta nos vários dispositivos. Esta opção não está disponível para a aplicação do Messenger do Facebook, na nova aplicação de vídeo do Instagram IGTV ou no desktop.

A possibilidade de controlar o tempo que passa nas redes sociais surge numa altura em que o Facebook está a fazer alterações nas suas áreas de foco. Em janeiro, o CEO do Facebook Mark Zuckerberg escrevia na sua conta: "Uma das nossas prioridades em 2018 é garantir que o tempo que passamos no Facebook é bem gasto".

O Facebook é a última empresa a juntar-se ao movimento "Tempo bem Gasto", do Center for Humane Technology, que defende a qualidade no tempo que as pessoas estão online. A Apple apresentou, na sua última atualização do IOS, em junho, uma ferramenta que permite aos utilizadores saber quanto tempo estão a passar nos seus telefones e como é que estão a gastar esse tempo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.