Afinal, a vitamina D não protege contra as demências

Novo estudo feito na Austrália revela que não há evidências científicas que mostrem que a vitamina D tem um efeito protetor contra a esclerose múltipla e as demências

Há um novo estudo que põe em causa a ideia de que a vitamina D funciona como um agente protetor do cérebro em relação às demências. Investigadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, dizem que esta vitamina não protege contra a esclerose múltipla, Parkinson, Alzheimer e outros distúrbios relacionados com o cérebro.

De acordo com o artigo publicado na revista Nutritional Neuroscience, não existem evidências científicas suficientes para dizer que a vitamina D é um agente neurológico protetor.

De um total de 231 artigos selecionados, os investigadores identificaram 73 adequados para revisão, ou seja, trabalhos que investigam o efeito dos níveis de vitamina D, que pode ser produzida através do sol, e da suplementação nas doenças degenerativas.

"O nosso trabalho contraria uma crença defendida em alguns setores, que sugere que os níveis mais altos de vitamina D podem afetar positivamente a saúde do cérebro", diz Krystal Iacopetta, principal autora do estudo, citada pela Science Daily.

Estudos anteriores tinham demonstrado que doentes com doenças neurodegenerativas tendem a ter níveis mais baixos de vitamina D, quando comparados com a população saudável.

Iacopetta lembra que isso fez com que se pensasse que aumentando os níveis de vitamina D, através de uma maior exposição solar ou com suplementação, haveria um impacto positivo.

No entanto, a investigadora revela que a análise da literatura feita sobre o tema demonstra que não há evidências científicas suficientes que apoiem essa ideia, ou seja, que mostrem que esta vitamina protege o cérebro.

Segundo os autores, a teoria de que a vitamina D tinha um efeito protetor ganhou força com base em estudos pré-clínicos e observacionais, e não em evidências clínicas.

Não há relação causal

Nas conclusões pode ler-se que, efetivamente, a exposição solar, independentemente da vitamina D, pode ter um efeito protetor contra a esclerose múltipla, o Parkinson e o Alzheimer. No entanto, são necessários mais estudos para aprofundar esse benefício. Para os autores, não é claro que a vitamina D proteja os indivíduos em relação às doenças neurodegenerativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.