A primeira prova direta: afinal há mesmo água na Lua

Depois de décadas de busca e de dados que nunca chegaram a ser uma confirmação definitiva, chegou agora a certeza. Futuras missões e até uma base permanente na Lua tornam-se uma possibilidade mais real.

Aí está a primeira prova direta da existência de água, sob forma de gelo, na superfície da Lua. Utilizando os dados do Moon Mineralogy Mapper, um instrumento da NASA que seguiu a bordo da sonda Chandrayaan-1, lançada pela Índia em 2008 para uma missão lunar, um grupo de cientistas coordenado por Shuai Li , das universidades do Havai e de Brown, nos Estados Unidos, conseguiu confirmar pela primeira vez de forma direta que existe mesmo água na Lua. Está sob a forma de gelo e concentra-se em ambos os polos do satélite.

Os dados analisados pelos investigadores mostram que o gelo se encontra sobretudo no interior de crateras junto aos polos Sul e Norte, que estão sempre na sombra - por causa da pequeníssima inclinação do eixo de rotação da Lua, aquelas zonas nunca recebem diretamente a luz do Sol. Nesses pontos, as temperaturas nunca sobem acima dos 157 graus negativos Celsius.

A possibilidade da existência de água na Lua é uma velha esperança que ao longo de décadas se manteve apenas como isso mesmo: uma possibilidade. Nos anos de 1960 e 1970 os astronautas do programa Apollo foram à Lua e voltaram e essa questão permaneceu sempre em aberto.

Em 1994, a sonda Clementine, também da NASA, causou um enorme entusiasmo quando enviou dados que pareciam indicar a presença, ali, de gelo, mas os resultados acabaram por não ser definitivos. A dúvida permaneceu.

Já em 2009, foi a vez da sonda LCROSS (Lunar Crater Observation and Sensing Satellite), que a NASA fez despenhar na superfície da Lua, enviar outra quase confirmação da muito ansiada assinatura química H2O. Mas, mesmo assim, não houve uma comprovação definitiva.

Ela chegou agora, finalmente, garante a NASA. Foi obtida na conjugação de dois tipos de dados: as propriedades reflexivas próprias do gelo, que foram confirmadas, e as medidas da absorção da luz infravermelha pelas moléculas presentes naqueles locais. Essa absorção é diferente consoante a água está no estado sólido, líquido ou gasoso. A análise do conjunto fez a revelação: lá estava ela, pela primeira vez em direto, a água sob a forma de gelo, nas regiões polares da Lua.

Para a NASA, que anunciou a descoberta, também publicada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, esta é uma notícia sensacional. Ela confirma que a água está lá e que poderá um dia ser "um recurso acessível a futuras missões de exploração, ou mesmo para a instalação de uma base de permanente na Lua".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.