A larga maioria dos franceses quer acabar com a mudança da hora

Uma consulta à população francesa revela que 84% querem o fim da mudança da hora. É uma larga maioria que concorda com a recomendação da UE para que se acabe com a hora de verão e a hora de inverno.

A Comissão dos Assuntos Europeus do parlamento francês lançou uma consulta online até dia 3 de março, questionando: "Deve-se acabar com a mudança da hora?"

Reponderam 54 mil pessoas até agora e 84% são favoráveis ao fim da mudança da hora, segundo o jornal francês Le Figaro. Os franceses defendem que se deve manter a hora de inverno para sempre.

A França tem a hora de inverno e hora de verão desde 1976, mudança horária que tem sido sempre contestada.

O horário de verão e de inverno tem recebido igualmente críticas nos Estados membros, o que levou a Comissão Europeia a lançar uma consulta pública o ano passado. Votaram 4,6 milhões de pessoas e 80 % disseram que se devia acabar com a mudança. E o presidente da Comissão, Jean-Claude Junker, recomendou o fim desse procedimento até outubro de 2019.

Os 28 Estados membros devem comunicar até abril se mantém o horário de inverno ou de verão.

António Costa já disse que não concordava com o fim da mudança da hora, só que a Comissão Europeia quer que o Parlamento Europeu vote uma proposta para deixar de se alterar o fuso horário do país de acordo com a sazonalidade.

A mudança da hora foi lançada por motivos de poupança de energia ainda durante a I Guerra Mundial em 1916. Na altura era o carvão.

Portugal incorporou desde logo a mudança, que se espalhou por toda a Europa, com várias oscilações pelo meio. E, entre 1967 e 1975, não houve alteração no fuso horário. Em 1997, uma diretiva da UE harmonizou os dias de início e fim do horário de verão e do horário de inverno.

Na UE existem atualmente três fusos horários diferentes; o da Europa Ocidental, no qual se incluem Portugal, Irlanda e Reino Unido; o da Europa Central, que se aplica na Áustria, Bélgica, Croácia, República Checa, Dinamarca, França, Alemanha, Hungria, Itália, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha e Suécia; e o da Europa de Leste, onde a Bulgária, Chipre, Estónia, Finlândia, Grécia, Letónia, Lituânia e Roménia.

Ler mais

Exclusivos