20 mil professores colocados nos concursos

Listas foram publicadas há momentos no portal da Direção-Geral da Administração Escolar. Apenas seis mil colocações são de professores contratados, metade dos quais em horário incompleto

Um total de 20 mil docentes foram colocados nos concursos nacionais, acaba de confirmar o Ministério da Educação. Concretiza-se assim a aspiração dos diretores de verem as listas divulgadas antes do final do mês, de forma a que os docentes possam apresentar-se nas escolas a partir de segunda-feira.

Listas dos concursos podem ser consultadas aqui

Este ano realizaram-se sete concursos distintos: concurso interno antecipado, concurso externo ordinário, concurso externo extraordinário, concursos interno e externo do ensino artístico, mobilidade interna e contratação inicial. De acordo com o Ministério, "foram vinculados cerca de 3500 professores, que se vão somar aos também cerca de 3500 docentes que vincularam no ano passado, o que representa um número de vinculações sem precedentes. Na mobilidade interna foram distribuídos cerca de 14 000 horários a docentes do quadro [quadros de escola e agrupamento e de zona pedaghógica], dos quais cerca de 11 000 em horários completos e cerca de 3 000 em horários incompletos. Na contratação inicial [contratos anuais] ficaram colocados perto de 6000 docentes contratados, dos quais cerca de 3000 em horários completos.

Repetição de concurso para os docentes dos quadros acabou por favorecer... os contratados

O número de contratos anuais com horário completo, tal como tem vindo a acontecer nos últimos anos na chamada contratação inicial, não é muito significativo. No entanto, o Ministério da Educação dá a entender que poderia ter sido bastante mais baixo. Os docentes sem vínculo permanente com o Ministério da Educação acabaram por beneficiar da decisão da Assembleia da República, que ordenou a repetição dos concursos da mobilidade interna do ano passado, por não ter sido então permitido aos docentes do quadro concorrerem a horários incompletos.

"Em cumprimento da Lei da Assembleia da República n.º 17/2018, de 19 de abril - foram distribuídos horários completos e horários incompletos na mobilidade interna aos professores do quadro", confirma o Ministério. "Esta circunstância explica a necessidade de contratar cerca de 3000 docentes externos para ocupar horários completos, apesar de terem vinculado aos quadros 7000 professores nos últimos dois anos".

Refira-se que, minutos antes da divulgação das listas, o secretário geral da Fenprof, Mário Nogueira, tinha criticado o facto de "a um dia útil" do final do prazo, ainda não terem sido anunciadas estas colocações. Os diretores das escolas também tinham apelado á divulgação urgente das listas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.