Serviços mínimos definidos para greve dos médicos e enfermeiros

Serviços mínimos para a greve dos enfermeiros, que começa esta terça-feira às 8.00 da manhã, foram definidos, depois de o Sindicato Democrático dos Enfermeiros Portugueses ter considerado inadmissível não serem conhecidos

"Situações de urgência imediata e urgência diferida, bem como situações das quais possam resultar dano "irreparável/irreversível ou de difícil reparação". Segundo um documento divulgado pelo Sindepor na sua página na rede social Facebook, são estes os casos para os quais foram definidos os serviços mínimos, no contexto da greve ´dos médicos e enfermeiros que se inicia esta terça-feira.

O documento, divulgado pelo Sindepor pelas 21:20, acrescenta outras áreas concretas em que devem ser assegurados os serviços mínimos, por orientação do Tribunal Arbitral, bem como o número de profissionais necessários para os garantir.

Entre as áreas detalhadas estão as situações de urgência nas unidades de atendimento permanentes que funcionam 24 horas, o bloco operatório, com exceção dos blocos operatórios de cirurgia programada, o serviço de recolha de órgãos e transplantes ou as intervenções cirúrgicas nos blocos operatórios dos serviços de urgência, oncologia, obstetrícia, cirurgia cardiotorácica, neurocirurgia, oftalmologia e cirurgia de ambulatório.

Foram também definidos serviços mínimos para os tratamentos oncológicos.

O acórdão do Tribunal Arbitral salienta que são "serviços mínimos para salvaguardar em todas as entidades", com exceção de Escala Braga - Sociedade Gestora do Estabelecimento S.A. e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures.

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros Portugueses (Sindepor) já tinha considerado inadmissível que ainda não estivessem definidos para a greve de terça-feira.

Numa publicação na sua página oficial na rede social Facebook na tarde desta segunda-feira, o Sindepor classificou como inacreditável e inadmissível "o incumprimento da lei" quanto à definição dos serviços mínimos.

Os médicos começam na terça-feira às 00:00 uma greve nacional de dois dias, a que se vão juntar os enfermeiros a partir das 08:00, uma paralisação que se prolonga até ao final da semana.

Os dois sindicatos médicos convocaram uma greve nacional para terça-feira e quarta-feira, sendo o primeiro dia agendado pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e o segundo marcado pela Federação Nacional dos Médicos (FNAM), que também promove na quarta-feira à tarde uma manifestação junto ao Ministério da Saúde, em Lisboa.

Cada uma das classes profissionais tem reivindicações específicas, mas tanto médicos como enfermeiros argumentam que lutam pela dignidade da profissão e por um melhor Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Os médicos querem que todos os portugueses tenham médico de família, lutam pela redução das listas de utentes dos médicos e por mais tempo de consultas, querem a diminuição do serviço em urgência das 18 para as 12 horas, entre várias outras reivindicações, que passam também por reclamar que possam optar pela dedicação exclusiva ao serviço público.

No pré-aviso de greve, os médicos pedem ainda que seja negociada uma nova grelha salarial, que indicam que já devia ter ocorrido em janeiro de 2015.

Quanto aos enfermeiros, o Sindepor reclama o descongelamento das progressões de todos os enfermeiros, independentemente do vínculo ou da tipologia do contrato de trabalho e que sejam definidos os 35 anos de serviço e 57 de idade para o acesso à aposentação destes profissionais.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?