Governo paga mais para aumentar número de cirurgias contra a obesidade

Ministério da Saúde quer reduzir listas e tempos de espera das cirurgias para o tratamento da obesidade

O governo vai aumentar a remuneração das equipas multidisciplinares que fazem cirurgia de tratamento da obesidade, e financiar novas técnicas contra o excesso de peso, avança hoje o Jornal de Notícias.

De acordo com o diário, 1350 pessoas aguardavam por uma cirurgia no Serviço Nacional de Saúde (SNS), no final do primeiro semestre deste ano. Um doente espera, em média, seis meses pela operação.

A portaria do Ministério da Saúde, hoje publicada em Diário da República, aplica-se aos 17 centros de tratamento cirúrgico da obesidade - 14 hospitais públicos e três unidades privadas e sociais. Além da colocação da banda gástrica e do bypass gástrico, o Estado passa a financiar mais duas técnicas cirúrgicas: Sleeve (cirurgia de redução do volume do estômago) e a derivação bílio-pancreática e transposição duodenal (que separa o estômago do duodeno e liga-o diretamente ao intestino delgado).

Em 2017 foram operadas 2086 pessoas em Portugal por problemas de obesidade.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.