Follow JC Go: um Pokémon Go do mundo católico

Em vez de monstrinhos virtuais, os jogadores têm de encontrar personagens bíblicas, santos, beatos e pessoas reais para formarem equipas

São poucos os que nunca ouviram falar no Pokémon Go, uma aplicação lançada em 2016 pela empresa Niantic que levou os jogadores a percorrerem o mundo à caça dos famosos monstrinhos virtuais.

Dois anos depois, a fundação religiosa Ramón Pané lançou o Follow JC Go!, também conhecido como JesusCristo Go. Este jogo conta com a mesma mecânica do Pokémon Go e poderá ser usado nas próximas Jornadas Mundiais da Juventude, que se irão realizar no Panamá entre os dias 22 e 27 de janeiro de 2019. O Papa Francisco estreou a aplicação na última quinta-feira, no âmbito de um encontro no Vaticano com os criadores do projeto, Ricardo Grzona e Hugo Flores.

O funcionamento do jogo é semelhante ao Pokémon Go: uma vez instalada a aplicação, é só criar uma conta como convidado e criar a personagem. Porém, em vez de descobrir monstrinhos virtuais, os jogadores têm de encontrar personagens bíblicas, santos, beatos e pessoas reais, a fim de formarem a sua equipa (eTeams) e cumprirem missões individuais e coletivas que forem sendo propostas, como perguntas de cultura geral. Caso os desafios sejam completados com êxito, o jogador recebe em troca pão, água e Drenarios, a moeda do jogo, baseada numa das moedas romanas antigas.

Existe também um chat incorporado para falar com outros jogadores nas redondezas, sendo que cada um tem a possibilidade de criar missões sociais que os outros participantes podem completar.

Caso queira experimentar este jogo, deverá possuir um equipamento com o sistema operativo Android e iOS. Pode descarregar gratuitamente a aplicação, sendo que caso queira aceder a algum conteúdo pago deverá desembolsar entre 0,99€ e 7,49€.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.