Facebook, Instagram e WhatsApp já estão a funcionar

No espaço de pouco mais de um mês, esta foi a segunda vez que as redes sociais ficaram inacessíveis. Ainda não são conhecidas as razões do problema.

O Facebook, o Instagram, o Messenger e o WhatsApp já estão a funcionar, depois de mais de duas horas em baixo. Os alertas começaram a surgir por volta das 11:30 deste domingo um pouco por todo o mundo, incluindo em Portugal. Às 14.00 o serviço já parecia normalizado.

Um porta-voz do Facebook disse ao BuzzFeed que a empresa "lamenta qualquer inconveniente" provocado pela falha no serviço".

As páginas das redes sociais associadas à empresa de Mark Zuckerberg não apareciam sequer quando pesquisadas no computador. No telemóvel, abriam mas não permitiam atualizações ou o envio de mensagens através do WhatsApp. De acordo com o site Down Detector às 12:40 registavam-se 10248 reclamações relacionadas com o Facebook, 6994 com o Instagram e 2588 com o WhatsApp.

No Twitter, uma das poucas redes sociais a funcionar, multiplicaram-se as queixas dos utilizadores e a hashtag #facebookisdown (o Facebook está em baixo) ocupa o primeiro lugar na lista das mais utilizadas.

Ainda não são conhecidas as razões pelas quais as redes sociais estiveram em baixo.

Há cerca de um mês, o Facebook sofreu a pior falha de sempre tendo estado inacessíveis durante horas. Foram precisas mais de 24 horas até a situação - que também afetou o Messenger, o Instagram e o Whatsapp - ser resolvida. A empresa atribuiu o erro a uma "mudança na configuração de um servidor" e lamentou o sucedido.

Estas redes sociais pertencem todas à mesma empresa gerida por Mark Zuckerberg, fundador do Facebook. O Instagram foi adquirido em 2009, por um bilião de dólares (mais de 700 milhões de euros) ​​​​​​e o WhatsApp em 2014 por 22 mil milhões de dólares (17,4 mil milhões de euros).

(Notícia atualizada às 14.00)

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.