Explosão de estrelas "obrigou" os humanos a levantar-se

Uma onda de radiação terá provocado incêndios que devastaram florestas e obrigaram os antepassados da espécie humana a optar por uma posição superior.

Estrelas a explodir e a provocar incêndios que queimaram florestas onde viviam antepassados da espécie humana. Eis a sucessão de acontecimentos que obrigou esses ancestrais a evoluir do macaco e passar a andar nas duas pernas. Uma posição superior que os levou a "conquistar" o mundo.

Esta é a visão de um grupo de cientistas norte-americanos que defendem que os proto-humanos (que viveram na pré-história até à Idade Antiga) foram obrigados a evoluir devido a uma explosão de estrelas - que começou há 7 milhões de anos - e cujas radiações atingiram a Terra há cerca de 2,6 milhões de anos.

A onda de radiação dessas explosões desencadeou uma cadeia de eventos: quando os raios cósmicos atingiram o planeta ionizaram a atmosfera, isso pode ter aumentado a frequência dos raios que atingiram as florestas africanas. Com menos árvores os nossos antepassados tiveram de se adaptar e passar a andar em pé, até como forma de se deslocarem rapidamente.

Na história da evolução humana dados sobre o andar ereto remontam a pelo menos seis milhões de anos ao Sahelanthropus - um hominídeo encontrado em 19 de julho de 2002 por Michel Brunet que com base no crânio sublinhou poder ser o mais antigo da linhagem humana e a representação de um "elo perdido" entre os "humanos" e os chimpanzés.

Isto é o pensamento dos investigadores da Universidade do Kansas (EUA), como Adrian Melott que explicou em declarações ao diário inglêsThe Guardianque estes antepassados já tinham começado a experimentar manter-se de pé antes dos efeitos da supernova. Mas acredita que as explosões tiveram um papel importante nesse avanço. "O bipedismo já tinha começado, mas achamos que isso pode ter sido um 'empurrão'", frisou.

"Há muito que se pensa que os raios foram a principal causa de incêndios antes de os humanos terem esse papel e com muitos fogos destrói-se muitos habitats", salientou ao jornal britânico. "Quando as florestas são substituídas por planícies é uma vantagem estar de pé, de forma a poder andar de árvore em árvore e ver de uma posição superior os predadores", acrescentou.

Os raios cósmicos de uma estrela que terá explodido a 164 anos-luz da Terra teriam aumentado em 50 vezes a ionização da atmosfera, calculam os cientistas. "Temos a certeza que isso teria aumentado os raios, mas como começam não é ainda bem claro e por isso não podemos avançar um número", salientou Melott.

Se os cientistas estiverem certos, futuras supernovas podem desencadear mais incêndios florestais na Terra. No entanto, o planeta parece estar seguro pois a estrela mais próxima prestes a explodir - enfim dentro de mil milhões de anos - é Betelgeuse, uma das mais brilhantes da constelação Orion, que fica a 642 anos-luz de distância da Terra.

No entanto, são necessárias mais pesquisas. "Se a ligação raio-raio cósmico for incorreta, tudo isto desmoronará", conclui Melott.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.