Estudo revela que lobos ibéricos não abandonam a região onde nasceram

Relatório indica a fragmentação da população de lobos ibéricos em várias subpopulações e a "pouca dispersão" destes animais

Investigadores concluíram que a população de lobos ibéricos é "pouco aventureira" e que não abandona a região onde nasceu, segundo um estudo realizado por uma equipa do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO), divulgado esta quinta-feira.

De acordo com o CIBIO-InBIO, da Universidade do Porto, o estudo que combinou análises de ADN da espécie e dados de localização dos lobos, hoje publicado na revista 'Scientific Reports', indica que a população de lobos ibéricos se fragmenta em múltiplas subpopulações e que "há pouca dispersão" destes animais.

Em comunicado, o centro de investigação explica que, ao longo de duas décadas, a equipa de investigação, em parceria com a Universidade de Oviedo, em Espanha, conseguiu "identificar onze grupos genéticos distintos em toda a área de distribuição desta espécie na Península Ibérica (cerca de 140 mil quilómetros quadrados)".

"O resultado é um conjunto de pequenas populações mais isoladas e heterogéneas do que o esperado", acrescenta.

Pedro Silva, investigador do CIBIO-InBIO e primeiro autor do estudo, citado no comunicado, "dada a história recente de fragmentação e declínio do lobo na Península Ibérica", os investigadores esperavam "que possíveis sinais de estrutura populacional se refletissem na genética", contudo, os resultados mostraram "baixos níveis de transferência de genes e curtas distâncias de dispersão".

O CIBIO-InBIO afirma que "este comportamento peculiar" pode estar "condicionado por uma interação complexa de condições ecológicas e ambientais" relacionadas com a falta de disponibilidade de presas ou até com a "pressão humana".

A investigadora Raquel Godinho, autora correspondente do estudo, também citada no comunicado, salienta que "as populações de lobo ibérico têm sido afetadas durante séculos pela perseguição humana e por mudanças de habitat de caráter antropogénico, e, ao contrário do resto da Europa, em alguns locais da Península Ibérica o lobo não está em expansão".

Pedro Silva refere ainda que a investigação "levanta algumas hipóteses que carecem de estudos mais aprofundados", mas considera que os resultados do estudo, agora tornados públicos, "abrem caminho para um debate importante", assim como para a "definição de políticas de conservação e gestão do lobo na Península Ibérica".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.