Deputados e tabaqueira juntos para acabar com o fumo

Parlamento britânico juntou-se à Philip Morris para ajudar os 9 milhões de fumadores do país a trocarem os cigarros convencionais por produtos de tabaco menos nocivos.

Os deputados britânicos estão a ponderar rever a proibição que impede que a indústria tabaqueira inclua nos maços tradicionais apelos à mudança dos cigarros para outros produtos que causem menos danos para a saúde, até agora considerados como publicidade e promotores do ato de fumar e, por isso mesmo, proibidos.

O Comité de Ciências e Tecnologia britânico quer mudar aquilo que considera ser uma anomalia regulatória de forma que possa promover-se opções menos nocivas para a saúde dos fumadores. Num relatório recentemente publicado, afirma que os cigarros eletrónicos e aparelhos como o iQos (sem combustão) deviam ser considerados uma opção para ajudar a deixar de fumar. E vai mais longe, defendendo que o próprio serviço de saúde do país devia fornecê-los aos fumadores que querem deixar.

Consciente dos problemas que os fumadores têm e do seu peso no serviço nacional de saúde, depois de uma série de medidas restritivas do fumo, incluindo a proibição de fumar em espaços fechados e públicos, o parlamento britânico tem vindo a olhar com cada vez mais atenção para produtos de tabaco que constituem uma alternativa melhor do que os cigarros tradicionais. Nos estudos científicos que tem promovido, concluiu-se que produtos como o cigarro eletrónico ou o iQos não são propensos a levar os consumidores a começar a fumar nem causam os danos a terceiros dos cigarros tradicionais - não há risco para fumadores passivos porque não há fumo.

A campanha lançada no reino Unido

No Reino Unido há já cerca de 3 milhões de pessoas que passaram do tabaco normal para o cigarro eletrónico, meio milhão das quais usam esses aparelhos como auxiliares para deixarem de fumar. Uma perspetiva que conta com o apoio da Philip Morris. "Apoiamos seriamente a recomendação que permite que os fumadores sejam informados sobre os benefícios de usar produtos de tabaco em alternativa aos cigarros tradicionais", afirmou mesmo esta semana a porta-voz da Philip Morris, Moira Gilchrist, citada pela imprensa britânica.

"O fumo continua a ser um problema de saúde a nível nacional e o governo devia considerar formas inovadoras de reduzir o número de fumadores. Os cigarros eletrónicos são menos nocivos do que os cigarros convencionais e já se percebeu que não levam os não-fumadores a começar a fumar", defendeu também o antigo ministro da Saúde Norman Lamb, hoje chairman do Comité.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.