Defesa do ambiente. Fogos e seca fazem Portugal cair no ranking

O país é dos que mais descem no Índice de Desempenho das Alterações Climáticas 2020, caindo oito posições. Deixou de estar classificado com um desempenho "alto" e passou a estar com um "médio" nos parâmetros ambientais em análise, com exceção feita para as políticas climáticas.

Portugal está entre os países que mais esforços fizeram para implementar políticas climáticas. No entanto, fica aquém dos objetivos na transição energética para os recursos renováveis, o que fez com que o país descesse oito lugares no Índice de Desempenho das Alterações Climáticas 2020, divulgado esta terça-feira, durante a 25.ª Cimeira das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas. Ocupa agora a 25.ª posição entre 57 países, ou a 22.ª, ​​​​​​​se tivermos em conta que os três primeiros lugares estão vazios por não haver nenhuma nação verdadeiramente merecedora do pódio da luta contra as alterações climáticas. Só a Polónia e a Bulgária tiveram quedas superiores à de Portugal.

No levantamento anual da Rede Internacional de Ação Climática, que classifica os desempenhos dos melhores e dos piores países no que diz respeito às práticas ambientalistas, Portugal - anteriormente a pertencer ao grupo de nações com uma avaliação "alta" - foi caracterizado como "médio". Só ao nível das políticas climáticas, o país manteve uma classificação "alta". O que não aconteceu nos restantes parâmetros: utilização de energias renováveis e emissão de gases com efeito de estufa.

"Em 2017, o país foi atingido por grandes incêndios florestais, para além de anos de seca que levaram a um forte decréscimo do recurso à produção hidroelétrica renovável, levando a um aumento na utilização de centrais a carvão. Isso reflete-se na classificação baixa ou até muito baixa nos indicadores de tendência nas categorias energia renovável e uso de energia", explica a associação ambientalista Zero, em comunicado.

Uma tendência que Francisco Ferreira, presidente da Zero, espera que seja invertida já nos próximos relatórios com a nova política florestal e com uma aguardada diminuição das emissões de gases. O primeiro-ministro anunciou, em outubro, que o Governo está preparado para encerrar a central termoelétrica do Pego no final de 2021 e fazer cessar a produção da central de Sines em setembro de 2023. As duas centrais termoelétricas a carvão são as instalações mais poluentes do país, sendo responsáveis por 15% das emissões de gases de efeito de estufa produzidos em Portugal.

No topo está a Suécia e no final estão os Estados Unidos

O Índice de Desempenho das Alterações Climáticas 2020 atribui os melhores lugares da tabela, sem pódio, à Suécia (como tinha acontecido no ano transato), à Dinamarca e a Marrocos. São os países que se encontram mais próximos do caminho traçado no Acordo de Paris (2015) para combater as alterações climáticas. Os Estados Unidos ocupam o último lugar, muito devido ao recuo da administração de Trump na estratégia de proteção do ambiente.

"O Índice de Desempenho das Alterações Climáticas (CCPI), apresentado hoje na Cimeira de Madrid, reflete tendências opostas na ação climática global: Austrália, Arábia Saudita e especialmente os EUA causam grande preocupação com seu desempenho que varia entre baixo a muito baixo nas emissões e desenvolvimento de energia renovável, bem como a política climática. Com estes três governos muito influenciados pela indústria do carvão e do petróleo, quase não há sinais de política climática séria à vista. Por outro lado, o consumo global de carvão está a cair e a expansão das energias renováveis continua", diz a Zero.

22.º lugar para a União Europeia

Já a União Europeia enquanto todo ocupa o 22.º lugar do ranking, três lugares à frente de Portugal e com uma classificação "média" também. Entre os 28 estados-membros, há oito países que receberam a designação "alta", oito "baixa" e dois "muito baixa" (Bulgária e Polónia). A surpresa foi a Irlanda, que ascendeu sete posições, apesar de continuar em 41.º lugar.

O Índice de Desempenho das Alterações Climáticas 2020 foi definido a partir de um conjunto de estatísticas da Agência Internacional de Energia relativas a 2017 (última informações disponíveis). Peritos analisaram as emissões atuais de gases na atmosfera e também as previstas para os próximos anos, assim como a capacidade de gerar energia renovável e as políticas climáticas de cada nação.

No relatório, os peritos exprimem ainda que a União Europeia pode recuperar os lugares que desceu na tabela com a redução de 55% das emissões até 2030 para atingir a neutralidade climática até 2050, proposta pela nova presidente da Comissão Europeia. Logo durante a cerimónia de tomada de posse do novo executivo comunitário, no final de novembro, os eurodeputados exortaram os Estados-Membros e todos os intervenientes a nível mundial a tomarem urgentemente as medidas concretas necessárias para combater a ameaça das alterações climáticas. E no mesmo dia, avançaram com uma declaração de estado de "emergência climática e ambiental".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG