Crianças transmitem o vírus? Novo estudo sobre caso em França levanta dúvidas

Uma criança de nove anos foi infetada em França e conviveu com 172 pessoas. Nenhuma delas contraiu o novo coronavírus. Estudo francês sugere que "as crianças podem não ser uma fonte importante de transmissão".

Uma criança de nove anos que contraiu covid-19 no leste da França não transmitiu o vírus a nenhum outro aluno de três escolas de esqui, de acordo com uma nova investigação que sugere que as crianças não são grandes disseminadoras da doença.

"O facto de uma criança infetada não transmitir a doença, apesar das interações próximas nas escolas, sugere potenciais dinâmicas diferentes de transmissão em crianças", lê-se nas conclusões do estudo.

A criança foi infetada na região de Haute-Savoie, na França, num dos primeiros grupos com o novo coronavírus no país, que viu 12 pessoas contraírem a doença depois de um britânico regressar de Singapura e ter ido para férias de esqui na zona.

Um estudo publicado este mês na revista Clinical Infectious Diseases analisou o caso da criança, que continuou a frequentar três clubes de esqui enquanto seguia, sem ter conhecimento, infetada.

Através da rápida intervenção das autoridades de saúde, verificou-se que a criança, que apresentava apenas sintomas ligeiros, entrou em contacto com 172 pessoas enquanto esteve infetada com o novo coronavírus.

Todos foram colocados em quarentena por precaução, mas nenhum deles contraiu covid-19, nem mesmo os dois irmãos da criança.

Por outro lado, 64% desses contactos deram positivo a outras doenças sazonais, como a gripe.

Os autores do estudo disseram que o caso leva a equacionar que "as crianças podem não ser uma fonte importante de transmissão deste novo vírus".

"Uma criança, co-infetada com outros vírus respiratórios, frequentou três escolas enquanto era sintomática, mas não transmitiu o vírus, sugerindo potenciais dinâmicas diferentes de transmissão em crianças", disse Kostas Danis, epidemiologista da Public Health France, principal autor do estudo. à AFP.

Embora as infeções por coronavírus em crianças pareçam ser ligeiras, acredita-se que elas sejam capazes de espalhar a doença para pessoas mais velhas, com maior risco de doenças graves.

Dezenas de países encerraram escolas enquanto tentam conter a pandemia do covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG