Criança brasileira descobre fóssil de crocodilo gigante pré-histórico que habitou Amazónia

Purussaurus era um réptil gigante que se assemelha aos crocodilos de hoje.

Uma criança descobriu nas margens do rio Acre, no Brasil, um fóssil de um crocodilo gigante pré-histórico que habitou a Amazónia há oito milhões de anos, informaram na quinta-feira várias fontes científicas. O paleontólogo Jonas Filho, da Universidade Federal do Estado do Acre (Ufac), está desde terça-feira no município de Brasiléia para acompanhar uma equipa de pesquisadores para extrair a mandíbula e o que parece fazer parte do crânio de uma purussaurus, um réptil gigante que se assemelha aos crocodilos de hoje.

A mandíbula do animal pré-histórico foi encontrada em 11 de julho por uma criança de onze anos que estava a pescar com o pai nas margens do rio Acre, no estado homónimo que faz fronteira com a Bolívia e Peru, mas a descoberta só foi divulgada esta quinta-feira, quando o paleontólogo conseguiu extrair o primeiro fóssil.

O menor, identificado como Robson Cavalcante e que segundo o pai é um entusiasta de questões paleontológicas, correu para a mandíbula e imediatamente achou que se tratava de um fóssil de dinossauro. O pai, o carpinteiro José Militão, realizou as primeiras escavações, tomando precauções para evitar danos à mandíbula, como disse aos jornalistas o paleontólogo Jonas Filho, que observou que a descoberta da criança é "sem precedentes", porque é uma peça completa e não fragmentada.

O purussaurus chegou a medir 12,5 metros de comprimento, pesava 8,4 toneladas e viveu desde o Acre, no Brasil, até o Panamá, passando pelo que hoje são territórios da Colômbia, Venezuela e Peru. Uma das principais características desta espécie era a força de sua mordida, equivalente a sete toneladas, o que lhe permitiu ter uma grande diversidade na sua alimentação.

No Laboratório de Pesquisa da Ufac, em Rio Branco, capital do Acre, é exposta uma réplica em escala real dos purussaurus que habitavam aquele estado no norte do Brasil até o final do período Mioceno.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG