Costuma comer abacate? Pode ter o fruto do crime organizado no seu prato

A popularidade do fruto chegou com um preço. Por todo o mundo, produtores de abacate estão a ver as suas terras assaltadas.

Há cada vez mais restaurantes, pelo menos britânicos e irlandeses, a deixar o abacate fora da ementa. A razão é simples: não só as suas importações da América Latina estão a prejudicar o meio ambiente, como financiam cartéis de droga mexicanos. De acordo com o The Guardian, alguns produtores do estado do oeste mexicano Michoacán viram as suas terras de cultivo assaltadas por narcotraficantes que depois vendem o fruto a peso de ouro.

A escassez do abacate, o seu demorado tempo de cultivo e o aumento da procura mundial por este fruto criaram este novo setor de crime organizado, concretizado individualmente ou em grupo. Em 2016, o jornal já alertava para os crescentes roubos em pomares de abacates na Nova Zelândia.

Cada árvore destas demora dois anos a crescer e só depois de três a cinco anos é que se pode provar o fruto. Segundo a BBC, o México é responsável pela produção de 45% do fruto em todo o mundo e Michoacán é o estado com maior volume desta produção. Contudo, o panorama começa a transformar-se.

De uma ementa recheada de abacate a abstinência total. O café britânico Wild Strawberry, situado em Buckinghamshire, chegava a servir mil pratos de abacate numa semana, mas as preocupações éticas impuseram-se e a proprietária Katy Bill terá deixado de servir o fruto no seu estabelecimento. "Senti que não se encaixava com o meu espírito de usar comida local", explicou ao The Guardian. "Se puder comer com a estação e comprar a comida localmente, isso será sempre sustentável, porque não vai ter viajado tão longe".

O responsável pelo restaurante vegetariano Wildflower, em Londres, vai mais longe e estabelece até uma compração com o mercado da quinoa. Joseph Ryan lembra que a planta se tornou moda há alguns anos, o que aumentou as importações da América do Sul e, consequentemente, do seu preço. Agora, abandonou o uso de abacates também devido a preocupações com os efeitos do mercado global.

No ano passado, o consumo de abacate fez disparar os seus preços, chegando a preços recorde na ordem dos 25,2 euros por cada caixa de dez quilos.

Por todo o mundo, o fruto ganhou popularidade pela boca de muitos especialistas que alegam os muitos benefícios do abacate para a saúde. Entre eles, a redução do risco de doenças cardiovasculares e a sua ação antioxidante. Até a própria casca já foi alvo de estudo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG