Cortar 300 calorias por dia ajuda a proteger o coração

Ao longo de dois anos, participantes de um estudo que estavam em restrição calórica melhoraram os níveis de pressão arterial, colesterol e açúcar no sangue

Ingerir menos 300 calorias por dia pode beneficiar o seu coração. Esta é a conclusão de um estudo realizado ao longo de dois anos, período durante o qual os participantes em restrição calórica viram melhorar os seus níveis de pressão arterial, colesterol, açúcar no sangue, entre outros indicadores. Resultados atingidos mesmo em pessoas com um peso saudável ou com alguns quilos a mais.

"Há algo sobre a restrição calórica, algum mecanismo que ainda não entendemos que resulta nessas melhorias", afirmou o médico cardiologista, William Kraus, da Faculdade de Medicina da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, EUA.

"Recolhemos sangue, músculo e outras amostras dos participantes e vamos continuar a explorar para tentar perceber qual será esse sinal metabólico ou molécula mágica", afirmou ainda o autor principal deste estudo, citado pela Science Daily.

Participaram 218 adultos no estudo que durou dois anos

Publicada pela revista especializada The Lancet Diabetes & Endocrinology, a investigação envolveu 218 adultos, com menos de 50 anos, dos quais 143 fizeram uma dieta, na qual reduziram em 25% as calorias ingeridas diariamente. Os restantes 75 seguiram uma dieta normal, sem restrições.

No início do estudo, os participantes comiam três refeições por dia e reduziram um quarto das calorias diárias, de modo a prepararem-se para a dieta de restrição calórica.

Foi-lhes pedido depois uma redução em 25% das calorias diárias, durante dois anos. No entanto, os participantes só conseguiram reduzir as calorias em 11,9% e não em 25% conforme o que estava previsto. De acordo com os investigadores, passaram de 2467 calorias por dia para 2170, o que corresponde a uma redução de 297 calorias. Ao longo deste processo, os participantes frequentaram sessões de aconselhamento em grupo ou individuais.

Apesar de não conseguirem reduzir em 25% as calorias diárias, tiveram uma perda de peso de 10%, dos quais 71% eram gordura, refere a investigação.

Durante o estudo, os cientistas controlaram os níveis de colesterol, a pressão arterial e as concentrações de triglicerídeos dos participantes dos dois grupos e os resultados mostram que a redução de calorias pode ajudar a melhorar a saúde cardiovascular.

Uma simples redução calórica pode ser feita com "bastante facilidade", diz investigador

Após os primeiros 12 meses, no grupo de restrição calórica, foi registada uma diminuição nos níveis de colesterol, o que se manteve ao longo dos dois anos. Nas conclusões do estudo, além do colesterol, houve uma redução da pressão arterial e uma diminuição de 24% nas concentrações de triglicerídeos, um tipo de gordura no sangue. ​​

Os resultados indicam uma significativa melhoria nos indicadores que medem o risco de doença metabólica e uma redução num biomarcador que indica uma inflamação crónica relacionada com doenças cardiovasculares, cancro e diminuição cognitiva.

"Isso mostra que mesmo uma modificação que não é tão severa quanto a que usamos neste estudo poderia reduzir o peso da diabetes e das doenças cardiovasculares que temos neste país", afirmou Kraus. Segundo os dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, citados pela CNN, morrem todos os anos cerca de 610 mil pessoas de doenças cardíacas nos Estados Unidos.

Para o médico cardiologista William Kraus, "as pessoas podem fazer com bastante facilidade", uma simples redução diária de calorias. Basta que não cedam às tentações ou que optem por reduzi-las. Aconselha ainda a "não petiscar depois de jantar".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG