Bebé Matilde internada "para observação" após operação à cabeça

A cirurgia durou duas horas e a bebé de cinco meses encontra-se acordada, segundo os pais. A operação não está relacionada com a atrofia muscular espinhal do tipo 1, doença rara de que sofre e que a obrigou a tomar o medicamento mais caro do mundo.

Matilde, a bebé que sofre de atrofia muscular espinhal do tipo 1, encontra-se "em observação" nos cuidados intensivos do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, depois de uma operação à cabeça, anunciaram os pais na rede social Facebook. A cirurgia tinha como objetivo remover um quisto que estaria a impedir a circulação dos líquidos na cabeça de Matilde.

"As doutoras fizeram um buraquinho pequenino na minha cabecinha para passar o endoscópio e fazer um orifício para o líquido circular normalmente e, assim, aliviar a pressão na minha cabecinha", escreveram os pais na página de Facebook "Matilde, uma bebé especial".

De acordo com a publicação, a bebé de cinco meses encontra-se estável e acordada, apenas com "dores e rabugentinha".

A cirurgia durou duas horas e depois Matilde foi transferida para os cuidados intensivos para efeitos de observação. A operação não está relacionada com a doença atrofia muscular espinhal do tipo 1, de que Matilde se tornou rosto.

Matilde e Natália, a outra criança com a mesma doença, começaram a ser tratadas com o Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo, comparticipado a 100% pelo estado português, para travar a doença genética rara, no final do mês de agosto. Antes disso, os portugueses já doado mais de dois milhões de euros - o preço do medicamento.

A administração do Zolgensma, um medicamento experimental que só está disponível nos Estados Unidos, acontece na sequência de uma Autorização de Utilização Especial (AUE) dada pelo Infarmed, a Autoridade do Medicamento, após o pedido feito pelo Hospital de Santa Maria, onde as bebés são seguidas.

Matilde e Natália sofrem do tipo mais grave desta doença rara, que é causada por mutações num gene - o SMN1. A doença, que se caracteriza por perda de força, atrofia muscular, paralisia progressiva e perda de capacidades motoras, tem uma esperança média de vida de dois anos. Afeta todos os músculos do corpo, mas não tem qualquer efeito nas capacidades cognitivas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG