Reitor de Coimbra: "Alguns estudantes quase se vangloriavam de copiar. Agora já o fazem com menos à vontade"

Universidade divulgou balanço de 77 alunos punidos por plágio ou fraude desde 2012/13. O reitor João Gabriel Silva admite que esta é uma parte "relativamente pequena" dos casos reais mas diz que alunos já pensam duas vezes

Esta contabilidade de 77 casos de alunos punidos por plágio ou fraude, desde 2012/13, é um número expectável, tendo em conta a dimensão da Universidade de Coimbra?

Temos consciência de que essa é uma parte relativamente pequena do número total de estudantes que copiam nos exames. Mas é um número significativo, até da perspetiva da capacidade de deteção: significa que os nossos mecanismos têm já eficácia suficiente para apanhar um número suficientemente relevante para servir de dissuasor aos outros alunos. O que se nota bem na universidade é que a sensação de impunidade que existia há uns anos atrás mudou. Os estudantes já têm neste momento consciência de que há uma probabilidade, não tão elevada quanto eu gostaria que fosse, de serem apanhados, mas, quando são, a coisa já não corre tão suavemente. E isso faz com que muita gente pense duas vezes antes de tomar essas atitudes.

Tendo esta contabilidade começado em 2012/13, já é possível verificar se os casos de plágio e de outras fraudes estão a diminuir?

É difícil de dizer. A melhor maneira de aferir isso, embora seja subjetiva, é que, como disse, já se nota que os estudantes têm consciência de que, a serem apanhados as consequências podem ser pesadas. Isso é algo que não existia há algum tempo atrás. Alguns estudantes quase se vangloriavam de copiar. Agora já o fazem com menos à vontade. Já não é tão evidente que se consigam safar.

E como reagem os alunos sancionados?

Há alguns que, na sequência de processos disciplinares, vêm reclamar não quanto a serem sancionados mas dizendo que a pena é demasiado pesada. Da minha perspetiva, isso é positivo. Os termos da discussão na universidade mudaram. Este é um problema cultural, infelizmente transversal à sociedade portuguesa, que demorará algum tempo a mudar. Mas sinto que há uma mudança em curso. Antes de 2012/13 não havia sequer regulamento disciplinar para os estudantes.

No caso dos alunos alvo de sanções mais pesadas, como as suspensões de alguns anos, quais foram as consequências? Houve quem desistisse do curso?

A maioria deles continuaram. A larga maioria. Houve alguns que se foram embora mas a maioria deles continuaram. Há também alguns casos de retirada de grau. Casos que se descobriram já depois de o grau ter sido concedido e foi retirado. Estou-me a lembrar de dois casos de mestrado e um de licenciatura. No caso desses três não sei dizer se os alunos regressaram ou não.

A decisão de divulgar publicamente estes casos será inédita, não só na Universidade de Coimbra como a nível nacional. Acredita que é favorável para a imagem da universidade?

Não tínhamos histórico. Estou a fazer isto aqui por uma questão de transparência, com certeza, mas digo-o com toda a clareza: com um objetivo de dissuasão também. A divulgação ajuda a combater a tal sensação de impunidade. Tive algumas reações de pessoas que ficaram espantadas porque não tinham a noção de que as penas fossem tão pesadas, nem que tivessem sido aplicadas tantas. Tem consequências e faz com que os estudantes pensem duas vezes. E eu acho que uma instituição que tem esta transparência também está a ganhar perante a sociedade. Reconhece o problema e combate-o ativamente. O valor de um diploma na Universidade de Coimbra aumenta com esta divulgação.

As sanções podiam chegar aos cinco anos de suspensão. Tem presente quantos casos foram objeto dessa punição?

A suspensão pode ir até aos cinco anos mas penso que não declarámos nenhuma de cinco anos. Houve interdições de um ano, dois anos. Se bem me recordo, o máximo foram dois anos de interdição.

Acredita que este exemplo da Universidade de Coimbra pode influenciar outras instituições do ensino superior a darem o mesmo passo?

Não sei. Se conseguisse era bom, porque este é um problema cultural português. Não é um problema da Universidade de Coimbra. Se tivesse esse efeito colateral seria positivo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG