A bastonária das polémicas vs. o candidato discreto. Enfermeiros vão a votos

No boletim de voto eletrónico, a 6 de novembro, estarão duas listas nacionais e duas regionais. Ana Rita Cavaco recandidata-se ao lugar de bastonária contra Belmiro Rocha.

Depois da exclusão de uma das listas candidatas por ter mulheres a mais, não cumprindo a Lei da Paridade, estarão presentes no boletim de voto das eleições à Ordem dos Enfermeiros quatro listas: duas nacionais e duas regionais. O lugar de bastonário vai ser disputado entre Ana Rita Cavaco - a atual representante - e Belmiro Rocha.

Apesar das polémicas de que foi alvo (como ser acusada de gastos injustificados ou de patrocinar uma telenovela onde existia a figura de uma enfermeira), Ana Rita Cavaco olha para o mandato anterior com satisfação. A Ordem dos Enfermeiros nunca foi alvo de tanta atenção e por isso a estratégia repete-se para os próximos quatro anos. Já Belmiro Rocha mostra-se mais discreto. Defende a visibilidade do organismo, mas indica também que "não basta visibilidade". "Precisamos de reconhecimento efetivo", diz.

Os cerca de 75 mil enfermeiros inscritos na Ordem vão votar a 6 de novembro em boletins eletrónicos para escolher os seus representantes entre 2020 e 2023. E os eleitores vão poder aceder à plataforma online onde irá decorrer o ato eleitoral em qualquer local com acesso à Internet e nas delegações regionais da Ordem, através de um código enviado por carta a todos os membros.

De fora do boletim ficou a lista D, "Futuro Já", que a Comissão Eleitoral considerou não cumprir "o mínimo de quatro elementos de qualquer dos sexos" previsto na Lei da Paridade nos órgãos da Administração Pública (em vigor a partir de 1 de janeiro de 2020), depois de ter pedido um parecer sobre isto à Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género. A lista era composta por sete mulheres e três homens e os candidatos excluídos querem impugnar as eleições.

Os eleitores ficam assim com a possibilidade de votar em quatro listas, sendo que só a lista A concorre a todos os órgãos da Ordem. A lista B apresenta candidatos às estruturas nacionais e a nível regional às delegações do centro e norte. Já a listas C só se apresenta na Madeira e a E nos Açores. Estas são as suas propostas:

Lista A. "Orgulhosamente com os Enfermeiros"

"Nós quando chegámos à Ordem mudámos completamente aquilo que era a forma como nos relacionamos com os enfermeiros, em termos de serviços e proximidade, porque a Ordem não tinha o hábito de ir para os serviços, de fazer as visitas, de avisar o poder político e as administrações sobre quantos enfermeiros faltam", diz a atual bastonária e candidata, Ana Rita Cavaco, ao DN.

Depois de um ano atribulado, em que a bastonária foi acusada de gastos injustificados, de participação ilegal na organização da "greve cirúrgica" realizada pelos enfermeiros no início do ano ou de ter concedido um patrocínio a uma telenovela da SIC, onde existia uma enfermeira como personagem, Ana Rita Cavaco propõe para o próximo mandato a continuação do trabalho que têm vindo a desenvolver nos últimos anos. Querem investir na formação, na investigação, na progressão das carreiras e na valorização da profissão. "Temos de investir muito. Não só na formação, porque os enfermeiros formam-se em número suficiente em Portugal, mas em medidas de empregabilidade para o aumento da contratação de enfermeiros em Portugal", defende Ana Rita Cavaco.

"Pretendemos continuar a dizer que é preciso falar publicamente das questões laborais e contratuais, embora sindicais, porque o são, mas com impacto, na vida dos enfermeiros. Portanto, essa linha de defesa da dignidade da profissão é para manter, porque efetivamente só nos últimos quatro anos é que o país despertou para os problemas dos enfermeiros, que no fundo são os problemas dos doentes e de todos nós".

A lista A é a única que concorre a todos os órgãos nacionais, regionais (Açores, Madeira, centro, norte e sul) e ao lugar de bastonária.

Lista B. "Enfermagem - A Causa Maior"

"O que nós queremos é que a Ordem cumpra aquilo que está nos seus estatutos. A Ordem não é nenhum sindicato ou associação. Tem a regulação, o controle da profissão, e tem de cumprir os seus desígnios para estabelecer confiança e cooperação com os órgão nacionais e com a sociedade portuguesa". É assim que Belmiro Rocha, candidato a bastonário, apresenta o projeto da lista "Enfermagem - A Causa Maior" ao DN.

A candidatura do enfermeiro do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho e atual responsável pelo colégio de reabilitação da Ordem quer garantir a representatividade do órgão "em todos os contextos onde se discuta, decida e planeie cuidados de saúde", investir na formação, na investigação sobre a profissão e na criação de um fundo de apoio solidário para os enfermeiros.

"Não se trata de uma candidatura contra os atuais órgãos, trata-se de criar uma alternativa, uma visão diferente que efetivamente consiga restabelecer a confiança", diz o candidato da "Enfermagem a Causa Maior". Pretendem ter uma atitude mais discreta perante a opinião pública. A lista concorre aos órgãos nacionais e regionais (centro e norte), depois de ter visto rejeitada a candidatura à secção do sul pela Comissão Eleitoral.

Para a lista B, "a enfermagem, enquanto ciência e profissão, não tem evoluído de forma conveniente" e por isso querem "dar confiança aos enfermeiros". "Já percebemos que não basta visibilidade, precisamos de reconhecimento efetivo", aponta Belmiro Rocha.

Lista C. "Por uma Enfermagem Positiva" (Regional, Madeira)

A Lista C concorre apenas aos órgãos regionais da Madeira e os seus principais objetivos são a contratação, o reconhecimento da carreia e a defesa da especialização. Comprometem-se a "acompanhar o exercício profissional em todos os contextos onde se prestam cuidados de enfermagem"."Estamos a atentos à nossa realidade regional. Como temos um governo regional próprio, nós podemos e devemos ter negociações diretas com os órgãos de soberania regionais. E como tal uma das nossas linhas de ação é poder exercer essa influência", diz o candidato da lista C Nuno Neves.

"Nós estamos a sair de um período muito crítico e já estamos a assistir a mais contratações, mas são sempre precisos mais enfermeiros para que os cuidados de saúde não sejam colocados em causa e pretendemos negociar estas questões", acrescenta.

Querem também apostar no reconhecimento dos mais velhos através de cerimónias de entrega de distinções e numa abordagem próxima dos profissionais. "Temos uma equipa muito vasta, de todas as idades e que abrange todas as especialidades. Assim, a Ordem está presente nos locais onde os enfermeiros trabalham e a informação dos locais chega-nos diretamente à Ordem".

Lista E. "Juntos pela Enfermagem Açoriana: compromisso e responsabilidade" (Regional, Açores)

"Nós temos o entendimento que será mais difícil adaptar um projeto nacional a uma realidade regional", diz o candidato Márcio Tavares. Por isso, a lista "Juntos pela Enfermagem Açoriana: compromisso e responsabilidade" apresenta-se apenas ao órgão regional dos Açores. "Estamos muito focados nas problemáticas da região autónoma, porque conhecemos profundamente os problemas da região e por outro lado não queremos descurar todo o desenvolvimento da profissão que tem de ser feito com quem venha assumir os órgãos nacionais".

O programa foi desenhado pela equipa com a colaboração dos enfermeiros dos Açores que preencheram um inquérito sobre as suas preocupações. Propõem um olhar atento para a questão da empregabilidade, para a progressão e valorização da profissão. "Defendemos a qualidade dos cuidados de segurança, a visibilidade profissional dos enfermeiros, o investimento na investigação e no desenvolvimento profissional, as questões da ética e a comunicação externa da própria Ordem com os seus parceiros externos".

"A Ordem não existe só para os enfermeiros e por isso procurámos, neste projeto, olhar para os cidadãos. Daí termos desenvolvido esforços no contacto com estes", indica Márcio Tavares.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...